Ibama flagra roubo de madeira no Pará

Duas balsas carregadas com dez espécies de madeira nobre, extraída ilegalmente de terras da União entre os municípios de Anapu e Pacajá, no sudoeste do Pará, foram apreendidas na quinta-feira por fiscais do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). Um helicóptero do órgão flagrou toda a operação clandestina, acompanhando por mais de uma hora o transporte da madeira pelo rio Pucuruí - nova rota do contrabando praticado por empresas clandestinas e grileiros que atuam na região cortada pela rodovia Transamazônica. Os 300 metros cúbicos de madeira eram transportados sem autorização do Ibama e provocaram multa de R$ 60 mil ao dono da empresa, ainda não identificado. Ele também teve máquinas e caminhões apreendidos e deve responder a processo por crime ambiental, podendo pegar até dois anos de prisão e pagamento de multa. Uma estrada aberta no meio da selva servia para escoamento das toras retiradas das balsas, e seu transporte até municípios vizinhos. O fiscal do Ibama Cícero Chagas explicou que a retirada da madeira é feita geralmente durante a noite, para dificultar o acesso da fiscalização. O trabalho é escoltado por pistoleiros. "Estamos montando outra operação para pegar mais gente", resumiu o fiscal.

Agencia Estado,

14 de julho de 2006 | 18h38

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.