IBGE: 62,6% das casas têm água, esgoto e lixo coletado

O porcentual de domicílios brasileiros urbanos atendidos, ao mesmo tempo, por rede de abastecimento de água, rede coletora de esgoto e coleta de lixo direta aumentou entre 1999 e 2009, passando de 57,2% para 62,6%. Os dados fazem parte da Síntese de Indicadores Sociais, divulgada hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No entanto, entre os domicílios com rendimento de até meio salário mínimo per capita (por pessoa), o porcentual dos que tinham acesso a esses serviços simultaneamente não ultrapassava 41,3% em 2009.

JACQUELINE FARID, Agência Estado

17 de setembro de 2010 | 11h25

De acordo com o IBGE, 19% dos domicílios urbanos brasileiros abrigavam famílias cujo rendimento era de até meio salário mínimo (R$ 255) per capita em 2009. No Norte (30,7%) e no Nordeste (36,3%), os porcentuais de famílias com esse rendimento estavam bem acima da média nacional, enquanto no Sul (10,9%), no Sudeste (12,2%) e no Centro-Oeste (16,4%) os índices eram inferiores.

As desigualdades regionais são significativas no que diz respeito aos serviços. No Norte, segundo o IBGE, 13,7% dos domicílios urbanos tinham acesso aos três serviços simultâneos de saneamento e, nos domicílios mais pobres, esse porcentual não chegava a 10%. No Nordeste, o porcentual médio ficava em 37%. No Sudeste estavam as melhores condições, com uma média de 85,1% dos domicílios com acesso aos serviços.

A pesquisa revela ainda que, em 2009, 21,1% dos domicílios tinham simultaneamente energia elétrica, telefone fixo, computador, internet, geladeira, TV em cores e máquina de lavar - em 2004, quando esses dados foram apurados pela primeira vez, o índice era de 12%. Na região Norte, 7,5% se enquadravam nesse critério em 2009, enquanto no Sudeste a proporção era de 27,8%. De acordo com a pesquisa, 87,5% dos domicílios brasileiros em 2009 eram casas e 12,1% eram apartamentos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.