Ibovespa cai com realização de lucro após dados ruins de Europa e EUA

Sinais de fraqueza da economia nos Estados Unidos e na zona do euro, unidos ao recrudescimento da crise na Grécia, ampliaram a realização de lucros nas bolsas, incluindo a Bovespa, nesta quarta-feira.

ALUÍSIO ALVES, REUTERS

07 de abril de 2010 | 18h08

Pressionado principalmente pela baixa do setor siderúrgico, o Ibovespa recuou 0,43 por cento, para 70.792 pontos. O giro financeiro da sessão somou 6,4 bilhões de reais.

"O mercado estava aguardando motivos que justificassem uma correção de preços e eles vieram", disse à Reuters a equipe de análise da Brava Investimentos.

O anúncio de que o PIB da zona do euro ficou estagnado no quarto trimestre já indicava um dia fraco nos mercados, que esperavam um resultado um pouco melhor. O movimento engrossou com a divulgação de que bancos gregos pediram bilhões de euros em ajuda estatal, recrudescendo os temores com o país que luta para honrar suas dívidas em meio a um grave crise fiscal.

Na parte da tarde, notícias dos Estados Unidos sedimentaram a tendência de baixa dos mercados. Numa mão, o presidente do Federal Reserve, Ben Bernanke, afirmou que a economia do país ainda enfrenta obstáculos significativos, incluindo do setor imobiliário e do mercado de trabalho.

Noutra, o crédito ao consumidor dos EUA inesperadamente caiu em 11,5 bilhões de dólares em fevereiro, revertendo a alta surpresa de janeiro. Analistas aguardavam uma alta de 500 milhões de dólares.

O mercado ainda aguarda um novo pronunciamento de Bernanke e a definição do rumo da taxa básica de juro na zona do euro, ambos na quinta-feira, o que deixa o mercado na defensiva, especialmente depois de as ações terem atingido as máximas em quase dois anos, segundo a Brava Investimentos.

Na bolsa paulista, o setor siderúrgico foi um dos que mais perderam força. Companhia Siderúrgica Nacional caiu 1,95 por cento, para 35,13 reais, dando a tônica do segmento.

As construtoras, que vinham se recuperando fortemente nas últimas sessões, retrocederam, sob liderança de Rossi Residencial, caindo 3 por cento, a 12,63 reais.

As blue chips tiveram desempenhos distintos. A ação preferencial da Petrobras recuou 0,8 por cento, a 35,80, na cola da baixa do barril do petróleo.

Já a preferencial da Vale avançou 0,5 por cento, a 50,20 reais. A companhia foi alvo de relatório do Deutsche Bank, que reforçou a recomendação de compra para os papéis.

Na ponta de cima, Pão de Açúcar foi um dos destaques, com um salto de 5,1 por cento, para 64,11 reais, após a divulgação de que a atividade do setor varejista brasileiro cresceu 13,5 por cento em março, ante o mesmo período do ano passado.

Fora do índice, OSX caiu 3,65 por cento, para 660 reais, após a notícia de que um instituto ambiental de Santa Catarina se posicionou contrário à implantação de um estaleiro da empresa do empresário Eike Batista no Estado.

Tudo o que sabemos sobre:
BOVESPAFECHA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.