Ibovespa mira NY e cai 0,67% em meio a balanços

A piora do mercado norte-americano no final da tarde determinou a queda do Ibovespa nesta quinta-feira, em um pregão dominado pela divulgação de uma série de balanços corporativos.

SILVIO CASCIONE, REUTERS

13 de maio de 2010 | 17h34

O principal índice das ações brasileiras terminou em queda de 0,67 por cento, para 64.788 pontos. O giro financeiro do pregão foi de 5,2 bilhões de reais.

Em Nova York, os índices Dow Jones, S&P 500 e Nasdaq recuaram em torno de 1 por cento. O movimento, intensificado no fim do dia, foi justificado por declarações cautelosas de executivos sobre a recuperação da economia, especialmente da Cisco, do setor de tecnologia.

Mais cedo, a queda um pouco menor que a prevista nos pedidos de auxílio-desemprego nos Estados Unidos e as novas medidas de Portugal para tentar reduzir o déficit orçamentário também trouxeram prudência ao mercado.

O volume ficou concentrado nas blue chips Vale e Petrobras, cada uma com direção oposta. A mineradora caiu 1,6 por cento, para 43,70 reais, e a petrolífera subiu 0,3 por cento, para 30 reais.

A estatal divulga resultados na sexta-feira. Na véspera, a Agência Nacional do Petróleo (ANP) anunciou que o volume recuperável de petróleo em uma área do pré-sal na bacia de Santos é estimado em 4,5 bilhões de barris.

Quem puxou a fila entre as ações que fecharam em queda foram Rossi e Gafisa, ambas com balanços a serem divulgados após o fechamento do pregão. A primeira caiu 6,4 por cento, a 12,96 reais, e a segunda teve queda de 6,2 por cento, para 11,35 reais.

Outra que terminou com forte baixa foi a siderúrgica Usiminas, com variação de negativa de 3,2 por cento, a 51,30 reais. A queda ocorreu a despeito da divulgação, pela manhã, de que a empresa reverteu o prejuízo do começo do ano passado e teve lucro de 309 milhões de reais no primeiro trimestre de 2010, em linha com o esperado.

"As boas expectativas para o crescimento do PIB nacional juntamente ao retorno dos investimentos em ativos fixos continuam nos deixando otimistas em relação ao desempenho da Usiminas. Por isso, ratificamos nosso rating de buy (compra) para as ações da empresa", escreveram analistas do BB Investimentos, em relatório.

O Banco do Brasil também divulgou resultados pela manhã, com lucro de 2,35 bilhões de reais no primeiro trimestre --um aumento de 41,2 por cento em 12 meses. As ações do banco estatal caíram 1,3 por cento, para 27,51 reais.

Ações de outros bancos também recuaram. Bradesco teve perda de 1,5 por cento, a 31,20 reais, e Itaú Unibanco recuou também 1,5 por cento, a 36,55 reais. Para o operador de um banco de investimento, que preferiu não ser citado, o setor era pressionado pela divulgação de cortes de gastos pelo governo --que esfriava a previsão de uma alta forte do juro.

Entre os balanços trimestrais, o que mais contribuiu para frear a queda do Ibovespa foi o da Brasil Foods, divulgado após o fechamento de quarta-feira. A produtora de carnes subiu 4,6 por cento, para 22,95 reais, após anunciar um lucro líquido de 53 milhões de reais no primeiro trimestre de 2010.

Outra empresa com forte alta foi a Telemar PN, controladora da Oi, que divulgaria resultados ainda nesta quinta-feira. A alta das ações foi de 5,5 por cento, a 26,90 reais. Após o fechamento, a empresa informou lucro de 496 milhões de reais .

Uma dezena de companhias do índice também anunciaria os balanços ainda nesta sessão, entre as quais CCR Rodovias e B2W.

Tudo o que sabemos sobre:
BOVESPAFECHA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.