Ideia do plástico veio do morango

Produtor começou o cultivo protegido, deu certo e outros seguiram o pioneiro

O Estado de S.Paulo

09 de junho de 2010 | 02h17

Em meados da década de 1990, Charles Venturim, membro de uma família tradicional na produção de uvas de mesa em Caxias do Sul (RS), não via perspectiva para as uvas que cultivava, principalmente por causa das mudanças climáticas na região nos últimos 50 anos. "Foi uma época difícil, quase não havia uva para ser exposta na festa da cidade e muitas famílias tradicionais estavam pensando em deixar o cultivo", relata.

Diante deste cenário, o produtor partiu em busca de uma solução. "Tinha de haver uma", diz. E foi do cultivo de morangos que veio a ideia de instalar coberturas de plástico por cima dos parreirais. "Todos me chamavam de louco. Até meu pai pensou que não seria viável." Mesmo assim, Venturim decidiu testar a solução e, em 1996, construiu uma cobertura sobre uma parreira de 50 metros de comprimento. "Logo percebemos a diferença. Menos exposta à chuva, passamos a ter que fazer menos pulverizações com agrotóxicos".

Hoje, a marca da uva produzida no sítio dos Venturim é reconhecida pela qualidade na região ? foi campeã do festival da cidade por diversas vezes. E a solução encontrada pelo produtor acabou incentivando o cultivo de uva de mesa por outros viticultores tradicionais, como José Milani, de Bento Gonçalves. Há dez anos, vendo os bons resultados obtidos por Venturim, Milani decidiu aplicar a solução em sua propriedade e conseguiu melhorar significativamente a qualidade da uva produzida. "Graças a isso não preciso nem sair de casa para vender minha produção", comemora Milani, que vende 70% do que cultiva diretamente para os clientes que visitam seu sítio. / L.C.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.