Ideia em bloco

Projeto de caixa hidráulica visa resolver problema de prédios deteriorados e leva prata no prêmio IDEA/Brasil 2010

Julia Contier, Estado de S. Paulo

15 de setembro de 2010 | 11h00

Desenho da unidade hidráulica que tem como objetivo facilitar reformas

 

 

Projetada para reduzir os custos de reabilitação de edifícios ociosos ou deteriorados, a unidade - ou caixa - hidráulica, desenvolvida por Natália Maria Gaspar, de 27 anos, foi premiada com a prata na categoria estudantes, no Prêmio IDEA / Brasil 2010, concedido em agosto. O módulo pré-fabricado é composto de pia, chuveiro, bacia sanitária e tanque e serve para facilitar as obras na área molhada da casa, segundo Natália, formada pela FAU em 2009.

“Como a caixa foi projetada para um edifício ocioso, basta fazer uma abertura na laje, dando passagem à tubulação principal (vertical e rígida, de pvc), e depois conectar a unidade a esta abertura”, explica Natália. “A tubulação flexível, que liga a estrutura do prédio às louças do apartamento, já está colocada dentro da caixa, e só precisa ser ligada à tubulação vertical.”

 

“A ideia é que a unidade, de 4,85 m², seja compacta e pré-fabricada para facilitar o transporte e reduzir o custo”, afirma Natália. “É importante ressaltar que ela também garante a mínima intervenção na estrutura do edifício, permitindo que possa ser removida futuramente, se necessário.”

 

O projeto foi apresentado em julho do ano passado como trabalho de conclusão de curso, com a orientação do professor Paulo Eduardo Fonseca de Campos - e contou com a ajuda de outros professores, arquitetos e amigos de Natália. Hoje, a peça continua sendo desenvolvida em ambiente acadêmico e ainda não tem um patrocinador interessado em tirá-la do papel. Seu custo estimado é de R$ 7 mil.

Interessada em urbanismo, economia, industrialização da construção civil, produção e uso da habitação popular, a autora do projeto trabalha na Câmara Municipal de São Paulo e acredita que projetos como esse possam contribuir para a discussão da ocupação do Centro de São Paulo, repleto de edifícios ociosos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.