'Igreja atua diante dos casos de pedofilia', reitera Bento XVI

CIDADE DO VATICANO

Reuters, AP e Afp, O Estado de S.Paulo

22 de abril de 2010 | 00h00

Em sua audiência semanal no Palácio de São Pedro, o papa Bento XVI afirmou ontem que a Igreja Católica "atua" em relação aos casos de pedofilia no clero e que se emocionou no encontro com vítimas de pedofilia em Malta.

"Compartilhei seu sofrimento, com emoção. Orei com eles, assegurando que a Igreja atua" para remediar esses crimes, disse o pontífice, lembrando o encontro no fim de semana. A ONG americana Snap, que defende vítimas de pedófilos e teria 9 mil membros, criticou a fala. "Quando o papa promete ações, quer dizer mudanças cosméticas", afirmou em nota.

Na Espanha, a Associação de Teólogos e Teólogas João XXIII pediu a demissão do papa em manifesto no qual afirma que o líder da Igreja "não tem a idade nem a mentalidade" para enfrentar os desafios colocados à Igreja.

"Nos parece que o pontificado de Bento XVI está esgotado. Pedimos para que ele, com o devido respeito à pessoa do papa, apresente a demissão de seu cargo", diz a associação.

O texto afirma que as propostas são feitas "com espírito construtivo e encaminhadas à transformação evangélica da Igreja Católica", com o objetivo de "iniciar um processo de democratização da Igreja com a participação de todos os crentes católicos na eleição dos cargos de responsabilidade". O manifesto chama a atual forma de organização da Igreja de "obsoleta", mais parecida com "uma monarquia absoluta que com o movimento de Jesus, uma comunidade de iguais". /

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.