Igreja de São Paulo tem múmias de freiras de 200 anos

A descupinização de parte do Museu de Arte Sacra, no Mosteiro da Luz, no centro de São Paulo, levou à descoberta dos corpos mumificados de duas freiras que podem ter quase 200 anos. Segundo especialistas, um deles é o mais bem conservado já achado nessas condições no País. A descoberta ocorreu no dia 2, sábado de carnaval. É quase certo que as freiras mumificadas foram contemporâneas de Frei Galvão, canonizado em 2007. Elas pertencem à ordem da Imaculada Concepción, fundada na Espanha, em 1484. Conhecidas como concepcionistas, eram chamadas de ?filhas espirituais? pelo Frei Galvão e até hoje fabricam as pílulas vendidas com o nome do santo.A localização das múmias foi presenciada pela diretora do museu, Mari Marino, que acompanhava o trabalho dos funcionários da empresa Ecopraga, contratada para a descupinização. Ao percorrer a trilha de pó deixada pelos cupins chegou-se à antiga câmara mortuária das concepcionistas. Ali, há um pequeno altar e seis túmulos. Só um foi aberto, para verificação dos cupins. As freiras estão sepultadas lado a lado. A que está em pior estado foi achada deitada de lado, com a cabeça como que apoiada no ombro da outra. Presume-se que a cabeça tenha se inclinado por causa da decomposição mais acentuada.No dia 22, uma comissão de cientistas abriu a sepultura e verificou o estado dos corpos. ?Não podemos nem tocá-las para não contaminá-las com o nosso DNA?, disse a diretora, que fechou a capela e instalou três purificadores de ar.Construído pelo Frei Galvão, o Mosteiro da Luz data de 1774. Desde aquela época, foram sepultadas 129 irmãs no local. ?Os corpos mumificados serão identificados com a análise de documentos históricos das concepcionistas, sem que seja necessário exame laboratorial?, afirmou o diretor do Museu de Arqueologia e Etnologia da USP, José Luiz Morais. ?É uma descoberta importantíssima, porque a arqueologia brasileira até hoje trabalhou com sepultamentos indígenas e corpos em estado muito pior de conservação.? As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.