Império foodie contra-ataca

Os EUA vivem a Era do Orgânico. Há fazendas de orgânicos, megaempórios orgânicos, feiras e mercadinhos orgânicos. 70% da população consome ou consumiu orgânicos. Um guru naturalista já teme a massificação

Giovanna Tucci,

23 Julho 2009 | 09h38

Num país que adora fenômenos em cadeia como os Estados Unidos, nada mais natural que o surgimento de um gigante no ramo de orgânicos. Seu nome é Whole Foods e a rede já contabiliza mais de 250 lojas na América do Norte e no Reino Unido. A primeira Whole Foods foi inaugurada em 1980 em Austin, Texas, por um grupo partidário de comidas saudáveis. Centenas de lojas depois, a cadeia tem mérito inegável na disseminação não apenas dos alimentos orgânicos, mas de tudo que tem produção certificada, de roupas à produtos de limpeza. Suas lojas têm dimensões de supermercado, jeito de Starbucks hippie-chic onde se pode fazer a compra ou servir-se em um buffet, para comer ali ou levar para casa. Tudo fresco. Veja também: O guru da nova 'comida autêntica' Segredos da fazenda O mais orgânico de todos os chefs Garimpeiros verdes Saborosos, fortes, bonitos Slow food e comidas orgânicas conversam - e Neide Rigo faz o intermédio Mais espaço (e sabor) para os orgânicos em Curitiba Claro que o megaempreendimento gera polêmica. Fiéis consumidores de orgânicos – como a autora do blog Chucrute com Salsicha, Fernanda Guimarães Rosa, moradora de Davis, na Califórnia – dão preferência às feiras e aos mercadinhos. "Meu lema é consumir produtos locais. Nem sempre os das feiras têm o selo de orgânicos, mas eu confio nos produtores, são todos fazendeiros", diz. Tim Porter, autor de Organic Marin (Porter & Wong Kinsley, USA), compra "orgânicos empacotados", como cereais, e "orgânicos do dia a dia" no Whole Foods, mas vai semanalmente aos pequenos mercados de Marin, onde vive. A escritora Sarah Magid conta que nos últimos seis anos a oferta incluiu até farinhas e chocolates orgânicos. Seu livro, com receitas orgânicas de bolos e cookies, acaba de chegar ao Brasil (à venda na Livraria Cultura). E o nome não poderia ser mais emblemático: Organic and Chic. "Um total de 70% da população americana já consumiu ou consome algum produto orgânico", estima José Pedro Santiago, presidente da Câmara Setorial de Agricultura Orgânica no Brasil.

Mais conteúdo sobre:
Paladar org&acirc nicos

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.