Impostos, direitos e deveres

Ando com algumas dúvidas sobre a administração da cidade. Todos os anos somos obrigados a pagar IPTU, IPVA, taxa disso, taxa daquilo e, obviamente, não vemos retorno do investimento. O IPTU compreende limpeza de ruas, de bueiros, melhorias na cidade, correto? Pois bem, na minha rua não há nem varrição. Nós varremos a calçada para não ficarmos atolados no lixo. Aqui também não existe escoamento de água, aliás, no Brooklin isso é o que menos se vê. As ruas perto da Berrini alagam sempre e quase perdi meu carro - o seguro não cobre esse tipo de dano. Não sou eu quem deveria arcar com o prejuízo, já que pago todos os impostos em dia. É muita negligência da Prefeitura. Somos uma das cidades mais caras do mundo e não temos a infraestrutura que outras cidades têm.

, O Estadao de S.Paulo

25 Dezembro 2009 | 00h00

GABRIELA HADDAD

São Paulo

A Subprefeitura de Pinheiros informa que, em relação às calçadas, é importante reiterar que não só a varrição é de responsabilidade do munícipe, mas também a manutenção do passeio regular, com piso acessível, facilitando a locomoção das pessoas com mobilidade reduzida. A varrição na Rua Pensilvânia é realizada no período matutino às segundas, quartas e sextas-feiras, com exceção do trecho entre a Avenida Santo Amaro e a Rua Álvaro Luiz Roberto de Assumpção, no qual a varrição é diária. Os serviços de limpeza do sistema de micro e macrodrenagem também são realizados diariamente. Com relação aos danos causados no veículo atingido pela enchente, o interessado pode solicitar ressarcimento de danos preenchendo um formulário na praça de atendimento de qualquer subprefeitura.

Documentação perdida

Sou italiano, moro em São Paulo e sou casado com uma brasileira. Senti-me humilhado pelos órgãos públicos brasileiros após ter uma correspondência violada pelos Correios. Estava esperando documentos oficiais da Itália, carimbados pelo Consulado brasileiro em Roma, para que eu pudesse solicitar o Registro Nacional de Estrangeiro definitivo. Quando fui pegar o envelope, percebi que a correspondência fora violada. Os funcionários constataram o fato e pediram para que eu a abrisse na frente deles para verificar o conteúdo. Os documentos haviam sido roubados! Eles preencheram um formulário interno e disseram que, em 15 dias, entrariam em contato comigo. Mas passou um mês sem que ninguém entrasse em contato. E não recebi nenhuma notificação oficial dos Correios relatando o ocorrido para me ajudar a não ficar em situação irregular no País.

ALESSANDRO PICCIOLO

São Paulo

O diretor regional da São Paulo Metropolitana dos Correios, José Furian Filho, esclarece que houve uma falha operacional e que a indenização correspondente pode ser retirada em qualquer agência do Banco do Brasil a partir do dia 22 /12.

Barulho em obra

Já que minhas reclamações não são atendidas, faço por meio do jornal um gentil pedido aos responsáveis pelo Consórcio Via Amarela: será que seus caminhões terceirizados poderiam respeitar o horário de chegada na obra da Rua Visconde de Ouro Preto, na Rua da Consolação? Às 6 horas sempre tenho o sono interrompido com buzinadas, altos papos e muita marcha à ré escandalosa. Em tempo, o caminhão aguardou a abertura da obra, roubando pelo menos duas horas de descanso das vítimas, seus vizinhos.

CAETANO FERRARI

São Paulo

O Consórcio Via Amarela informa que sempre orienta funcionários e empresas prestadoras de serviço a minimizar todo o tipo de barulho, por se tratar de obra em área densamente ocupada. Diz que todos os casos são levados ao conhecimento dos responsáveis pelas frentes de trabalho. Toda vez que há excesso, o motorista é avisado, advertido e a empresa notificada. Como relatou o sr. Ferrari, o caminhão encontrava-se do lado de fora da obra. O condutor do veículo será orientado a chegar no horário determinado. Acrescenta que as empresas prestadoras de serviços que não cumprirem as regras serão excluídas do quadro de colaboradores.

Falta de educação

Dia 18/12 trafegava com meu automóvel pela Av. Vicente Rao, na altura do Viaduto Cupecê, quando o motorista do veículo ao meu lado abriu a janela e jogou uma garrafa d"água vazia. Não é possível que, com tudo que está acontecendo em nossa cidade, com pessoas morrendo afogadas, casas e veículos submersos pela chuvas, ainda exista gente que não se preocupa com o próximo e ajuda a destruir um pouco mais essa já tão degradada cidade!

NILTON FERNANDO BOVO

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.