Incêndio florestal pode resfriar área próxima, sugere estudo

Climatologistas preocupam-se, há anos, com o agravamento do aquecimento global pelos incêndios florestais, que bombeiam mais dióxido de carbono na atmosfera. Agora, surgem sinais de que os incêndios podem ter um efeito refrescante sobre o clima da região onde ocorrem.Embora o fogo nas florestas do norte do planeta liberem gases causadores do efeito estufa, eles também mudam a cobertura vegetal de forma que mais luz solar acaba refletida de volta para o espaço durante a primavera e o verão nas décadas seguintes, afirma James T. Randerson, professor associado de ciências da Terra da Universidade da Califórnia em Irvine."esse efeito refrescante cancela o impacto dos gases do efeito estufa, então o efeito líquido fica perto do neutro quando se tira a média global, e nas regiões setentrionais pode levar a temperaturas levemente menores", diz Randerson, principal autor do estudo, publicado na edição desta sexta-feira da Science.Brian Stocks, um especialista em incêndios e clima que se aposentou recentemente do serviço florestal canadense, pediu cautela. "Não quero que os leitores fiquem com a impressão de que não é mais preciso preocupar-se tanto com isso, e tenho certeza de que essa não é a intenção" dos autores do trabalho, afirmou.O estudo tem como foco um único incêndio, no Alasca, e Stocks diz que se sentiria mais confortável com as conclusões se dessem conta de 10 ou mais ocorrências, sob diferentes condições.O climatologista Jonathan Overpeck, da Universidade do Arizona, disse que o estudo é único, na medida em que tenta avaliar os efeitos do fogo no clima ao longo de 80 anos, o tempo que a floresta leva para crescer de novo. O senso comum permitiria prever um aquecimento, disse ele. Mas, mesmo se as conclusões do estudo - indicando um resultado neutro ou um resfriamento - estiverem corretas, o efeito seria pequeno demais para compensar o aquecimento global geral, destacou.

Agencia Estado,

16 de novembro de 2006 | 19h29

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.