Incêndio leva pânico a hospital público no MA

Fogo no Hospital Carlos Macieira, de São Luís, começou na farmácia e destruiu 3 andares, mas não deixou feridos; pacientes foram transferidos

ERNESTO BATISTA, ESPECIAL PARA O ESTADO / SÃO LUÍS , O Estado de S.Paulo

14 de agosto de 2012 | 03h07

Um incêndio de grandes proporções destruiu na manhã de ontem parte das instalações do Hospital Carlos Macieira, em São Luís (MA). Os bombeiros levaram três horas para controlar o fogo, que começou na farmácia e se alastrou por três dos cinco andares do único hospital de alta complexidade destinado ao atendimento dos servidores públicos estaduais do Maranhão. Não houve registro de vítimas.

Logo que o fogo foi detectado, às 10 horas, os 150 pacientes que estavam internados nas enfermarias e na UTI da casa de saúde foram retirados. Houve correria, pânico e confusão.

Muitos dos pacientes deixaram as dependências do hospital nos braços de servidores, cadetes da PM, funcionários dos Correios e operários de uma obra vizinha que correram para o local.

Os pacientes foram colocados em colchões na parte externa do prédio, enquanto esperavam uma das 30 ambulâncias que foram acionadas para levá-los a outras unidades de saúde públicas- como o Hospital Geral e o Hospital Universitário, ambos federais - e casas de saúde privadas da capital maranhense.

Inicialmente, o combate ao incêndio começou a ser feito por apenas uma viatura do Corpo de Bombeiros. Com a rápida expansão do fogo, outras unidades de combate a incêndio precisaram ser acionadas, envolvendo grande parte do contingente que serve nos grupamentos de combate ao fogo na capital.

Testemunhas afirmam que os bombeiros tiveram grande dificuldade de combater o incêndio por falta de equipamentos adequados. Pelo menos cinco caminhões pipas que a Companhia de Águas e Esgotos do Maranhão (Caema) usa para abastecer de água potável a cidade foram deslocados para fornecer água aos caminhões dos bombeiros, em meio à falta de água nos hidrantes da unidade de saúde. Vários voluntários, muitos deles funcionários do hospital, se ofereceram para ajudar a combater as chamas.

Alta combustão. Ainda pela manhã, enquanto os bombeiros tentavam debelar o incêndio, o secretário adjunto de Estado de Saúde, José Márcio Leite, esteve no local e afirmou que o fogo começou na área da farmácia, onde são guardados remédios e produtos químicos usados no atendimento aos pacientes. "O material estocado nesta área do prédio é de alta combustão, o que favoreceu à propagação do fogo", disse Leite.

Em reformas para modernização, o Hospital Carlos Macieira, com 42 leitos de UTI, é uma das poucas casas de saúde públicas e de alta complexidade de São Luís.

Há cerca de três semanas a unidade de saúde já tinha tido problemas com o roubo da tubulação de oxigênio, que, segundo as autoridades, havia colocado em risco a vida de 19 pacientes.

No início da tarde, a Secretaria de Estado de Saúde do Maranhão divulgou uma nota oficial em que informou que tomou todas as medidas para proteger e resguardar a vida dos internos. "Todos os pacientes da unidade de saúde estão sendo transferidos para hospitais das redes pública e particular de São Luís", diz a nota. Além disso, a secretaria orientou os funcionários a se apresentar para o serviço no Hospital Geral para atender aos pacientes transferidos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.