Incertezas forçam parada técnica da alta do juro, diz Copom

As incertezas sobre os efeitos da crise financeira internacional sobre o ritmo de atividade da economia brasileira e sobre a inflação no país justificaram a interrupção, neste momento, do ciclo de aperto monetário iniciado pelo Banco Central em abril. A avaliação consta da ata da reunião de outubro do Comitê de Política Monetária (Copom), divulgada nesta quinta-feira. "O Comitê entende que a consolidação de condições financeiras mais restritivas poderia ampliar os efeitos da política monetária sobre a demanda e, ao longo do tempo, sobre a inflação", afirmaram os diretores do BC no documento. Na reunião realizada na semana passada, o Copom decidiu por unanimidade interromper o ciclo de aperto do juro, mantendo a taxa Selic em 13,75 por cento. Mas a interrupção não significa, necessariamente, o fim do ciclo de aperto, já que o Copom destacou na ata da reunião que a influência do cenário externo sobre a trajetória da inflação continua sujeita a "efeitos contraditórios". "Na eventualidade de se verificar alteração no perfil de riscos que implique modificação do cenário prospectivo básico traçado para a inflação pelo Comitê neste momento, a postura da política monetária será prontamente adequada às circunstâncias", destacaram os diretores. (Reportagem de Renato Andrade; Edição de Vanessa Stelzer)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.