Índice acionário dos EUA S&P 500 fecha no nível mais alto da história

O índice de referência do mercado acionário norte-americano S&P 500 estabeleceu uma nova máxima de fechamento nesta quinta-feira, encerrando em alta pelo quinto mês consecutivo.

Reuters

28 de março de 2013 | 21h19

O S&P vinha pairando cerca de seu recorde por mais de duas semanas, e as negociações na próxima semana vão determinar se o indicador consolidou um novo patamar ou se haverá um recuo de ajuste.

O S&P 500 teve o trimestre mais forte em um ano, ao avançar 10 por cento nos primeiros três meses do ano, enquanto o índice Dow Jones subiu 11,3 por cento e o Nasdaq ganhou 8,2 por cento no período.

O novo recorde de fechamento "é muito apropriado para um trimestre que viu a diminuição de muitas ansiedades do ano passado", disse Bruce McCain, estrategista-chefe de investimentos do Bank Private Key, em Cleveland.

"No entanto, este pode ser o início de um olhar mais realista para os problemas que ainda não foram resolvidos. Algum grau de cautela é, provavelmente, ainda merecido, com os problemas no Chipre provavelmente sendo apenas o começo do que veremos nos próximos meses."

O rali bateu em uma parede nas últimas duas semanas como o desenrolar de mais recente capítulo na crise da zona do euro, com Chipre se aproximando de um calote e uma possível saída do bloco do euro.

O S&P 500, que vinha operando em uma banda bem pequena, sendo negociado em uma faixa de 10 pontos da máxima alcançada em 9 de outubro de 2007 nas últimos 13 sessões, fechou em alta de 0,41 por cento nesta quinta, a 1.569 pontos --novo recorde.

Os índice Dow Jones, que tem estabelecido uma série de recordes desde 5 de março, fechou a sessão desta quinta-feira em mais um fechamento nominal elevado, acima de 14.578 pontos, depois de ter estabelecido uma nova máxima intradiária, a 14.585 pontos.

O índice Dow Jones subiu 0,36 por cento, enquanto o Nasdaq Composite avançou 0,34 por cento, a 3.267 pontos.

Os ganhos nos três primeiros meses do ano mostram uma história de muito otimismo. Análise de Ryan Detrick, estrategista-sênior de pesquisa da Schaeffer Investimento em Cincinnati, mostrou que o S&P 500 subiu nos três primeiros meses do ano apenas nove vezes nos últimos 30 anos e, em todos os casos, e determinou ganhos para o ano.

O ganho médio anual, depois de um início tão forte, de acordo com os dados, foi de 17,56 por cento. Um avanço dessa magnitude levaria o S&P 500 para cerca de 1.676 no fim deste ano.

"A chave é a continuidade", disse Quincy Krosby, estrategista de mercado da Prudential Financial, em Newark, Nova Jersey.

"Vai ser muito importante a forma como o mercado reage aos dados da próxima semana."

Dados importantes da indústria serão divulgados na segunda e terça-feira da semana que vem. Na sexta-feira, serão divulgados os dados da folha de pagamento nos Estados Unidos.

Em março, o Dow Jones avançou 3,7 por cento, o S&P 500 subiu 3,6 por cento e o Nasdaq ganhou 3,4 por cento.

Quinta-feira, marcou o fim da semana de negociação. Os mercados acionários dos EUA estarão fechados na sexta-feira por causa do feriado Sexta-feira Santa.

O volume de negócios nesta quinta-feira ficou levemente abaixo da média, com alguns participantes do mercado ausentes em observância ao Passover, feriado judaico, ou para iniciar o fim de semana prolongado da Páscoa cristã mais cedo.

Tudo o que sabemos sobre:
WALLSTREETFECHAFINALCORREO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.