Índice de adolescentes grávidas diminui em SP

A gravidez na adolescência permanece em queda no Estado de São Paulo desde 1998. Ontem, o governador Geraldo Alckmin anunciou que, em 2011, 14,7% dos bebês nascidos vivos eram filhos de mães adolescentes. Em 1998, esse índice era de 20%.

O Estado de S.Paulo

05 de janeiro de 2013 | 02h01

O Estado está em situação favorável em relação ao resto do País, onde cerca de 20% dos bebês nascem de mães adolescentes. "São Paulo tem um índice próximo ao dos EUA, e essa é uma grande vitória. Estamos à frente do Chile e da Argentina, que têm índice de cerca de 15%", diz a médica Albertina Duarte Takiuti, coordenadora do Programa Saúde do Adolescente da Secretaria Estadual da Saúde. Em São Paulo, a queda vem se repetindo a cada ano, mas de 2010 para 2011 ela foi relativamente menor: de 0,1 ponto porcentual.

Para a médica, hoje os adolescentes conhecem os métodos contraceptivos. "Não é questão de informação. É a insegurança da menina que tem medo de pedir e do menino que tem medo de falhar. Todo nosso trabalho é focado em fortalecer a atitude do adolescente", diz.

Parceria. Ontem também foi anunciada uma parceria entre a secretaria e a Faculdade de Medicina da USP para ampliar o atendimento na Casa do Adolescente de Pinheiros. "O grande problema na área é ter profissionais que saibam atender o adolescente. A ideia é expandir o atendimento e fazer com que a FMUSP possa ajudar a qualificar os profissionais", disse o secretário estadual da Saúde, Giovanni Guido Cerri. Com a parceria, o número de atendimentos mensais deve passar de 4 mil para 12 mil e o número de atendentes, de 35 para 150. / M.L.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.