Índice de Confiança da Indústria sobe 0,1% em maio--FGV

O Índice de Confiança da Indústria (ICI) ficou praticamente estável em maio, com avanço de apenas 0,1 por cento ante o mês anterior, passando de 103,3 pontos em abril para 103,4 pontos este mês, informou a Fundação Getúlio Vargas nesta segunda-feira.

REUTERS

28 Maio 2012 | 08h33

De acordo com a FGV, o ligeiro aumento da confiança em maio foi motivado pelo aumento do otimismo em relação aos meses seguintes.

O Índice da Situação Atual (ISA) recuou 0,5 por cento, para 103,5 pontos. Já o Índice de Expectativas (IE) avançou 0,9 por cento, para 103,4 pontos, o maior desde junho de 2011 (106,5 pontos).

"A combinação de resultados sinaliza que a atividade industrial deve seguir em ritmo lento neste segundo trimestre, com perspectiva de melhora gradual ao longo do segundo semestre", destacou a FGV em nota.

O indicador que avalia os estoques na indústria foi o que mais contribuiu para a queda do ISA. A proporção de empresas que consideram o nível dos estoques atual como excessivo subiu de 5,2 por cento em abril para 8,8 por cento em maio. A parcela das que o avaliam como insuficiente passou de 2,5 por cento para 4,2 por cento.

As expectativas dos empresários industriais para o ambiente dos negócios no horizonte de seis meses registram o melhor resultado entre os quesitos integrantes do ICI pelo segundo mês consecutivo, ao atingir 144,6 pontos, o maior nível desde maio de 2011 (145,5).

Das 1.259 empresas consultadas, 50,7 por cento preveem melhora dos negócios nos próximos seis meses (maio-outubro) e 6,1 por cento esperam piora. Em abril, estes percentuais haviam sido de 52,3 por cento e 8,2 por cento, respectivamente, para o semestre seguinte.

O Nível de Utilização da Capacidade Instalada (NUCI) alcançou 84,0 por cento em maio --o maior desde julho de 2011 (84,1 por cento)--, ante 83,9 por cento em abril.

O ritmo lento da atividade da indústria é apontado como um dos principais responsáveis pelo baixo crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) do país em 2011. Este ano a economia brasileira vem mostrando dificuldades em mostrar sinais consistentes de crescimento, mesmo diante das recentes medidas do governo de estímulo fiscal e monetário.

Em março, a produção industrial, medida pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), caiu 2,1 por cento em relação ao mesmo mês de 2011.

Para estimular a atividade, o Banco Central vem reduzindo a taxa Selic, atualmente em 9 por cento, e o governo anunciou na semana passada mais medidas de estímulo à economia.

(Reportagem de Camila Moreira)

Mais conteúdo sobre:
MACRO CONFIANCA INDUSTRIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.