Índice de pobreza cai na América Latina, diz Cepal

Alta nos preços dos alimentos fez aumentar indigência, de acordo com comissão da ONU.

Marcia Carmo, BBC

09 Dezembro 2008 | 17h33

O índice de pobreza caiu quase um ponto na América Latina e no Caribe em 2008, passando de 34,1% em 2007 para 33,2% neste ano, com um total de 182 milhões de pobres, segundo o relatório Panorama Social da América Latina 2008, divulgado nesta terça-feira pela Comissão Econômica para América Latina e Caribe (Cepal).A pobreza extrema ou indigência subiu levemente, de 12,6% (68 milhões de pessoas) no ano passado para 12,9% (71 milhões) neste ano, segundo o documento da Cepal, que faz parte das Nações Unidas e tem sede em Santiago, no Chile.De acordo com o relatório, que analisou dados de 18 países e foi apresentado pela secretária-executiva da Cepal, Alicia Barcena, a pobreza e a indigência tiveram um "comportamento menos favorável" do que no período 2002-2007.Naquele período, o número de pessoas na pobreza caiu 9,9% (37 milhões menos), e o número abaixo da linha de pobreza teve redução de 6,8% (29 milhões). AlimentosSegundo a Cepal, a inflação registrada a partir de 2007 em diversos países contribuiu para o resultado de 2008. A alta de preços de alimentos, acrescenta o relatório, foi o principal fator para esse quadro.Entre os países que registraram fortes altas nos preços dos alimentos, mesmo antes do agravamento da crise internacional, estão Venezuela, Bolívia, Chile e Argentina, por exemplo. México, Brasil e Peru, nesta ordem, estão entre os que tiveram menor inflação - total e de alimentos.A secretária-executiva da Cepal disse à BBC Brasil, por telefone, que a alta de preços em 2007 impediu que 4 milhões de pessoas saíssem da pobreza.Em 2008, segundo Barcena, 11 milhões caíram da pobreza para a indigência devido ao aumento nos preços.Na Venezuela, apesar da alta de inflação de alimentos, a pobreza caiu devido aos programas sociais, de acordo com a secretária-executiva da Cepal.BrasilA secretária-executiva da comissão também comentou os avanços sociais registrados pela entidade no Brasil."Entre 2002 e 2006, o Brasil conseguiu reduzir a pobreza em 1,5 ponto percentual. E entre 2006 e 2007, reduziu a pobreza em 3 pontos percentuais", disse Barcena. "O Brasil é um exemplo de como a pobreza pode ser combatida.""O Brasil fez esforços muito importantes, e o programa Bolsa Família foi um dos de maior sucesso para esse avanço social", acrescentou.Segundo Barcena, a tendência de melhoria social também foi registrada em 2008. "Mas, em 2009, não sabemos o que vai acontecer", disse. "Acreditamos que países como Brasil estão bem posicionados, porque o emprego aumentou e a produção foi diversificada", afirmou. "O país fez esforços para ter crescimento econômico, mas combatendo a desigualdade social."Crise internacionalDe acordo com a Cepal, a situação social pode piorar no ano que vem devido à crise internacional."A Cepal prevê que a desaceleração econômica mundial vai se refletir na região com menor demanda de bens de exportação e menor investimento no setor produtivo, além de queda nas remessas de dólares dos imigrantes", diz o relatório.O documento afirma que o emprego deverá "estancar durante 2009" e que os salários reais poderão se manter ou até diminuir levemente. Os mais afetados, diz a Cepal, deverão ser os trabalhadores que não têm carteira assinada e trabalham por conta própria.Por isso, diz o relatório, a expectativa é de que a pobreza e a indigência "subam levemente" no ano que vem, ampliando o resultado negativo que começou a ser detectado neste ano.No entanto, a Cepal afirma que a crise internacional não afetará todos os países igualmente. Segundo a comissão, serão mais afetados aqueles com menor nível de remessas (de dólares enviados pelos imigrantes), caso do Paraguai.Também serão afetados países com conexão direta com o mercado dos Estados Unidos e que tenham estrutura de exportação menos diversificada ou sistemas fianceiros mais fracos, diz o documento. Para evitar os efeitos sociais da crise internacional, a secretária-executiva da Cepal diz que é preciso "reforçar a assistência social" aos mais vulneráveis, desde cestas básicas até programas de emprego e de combate à desnutrição infantil, e ampliar o seguro-desemprego. Concentação de rendaO relatório afirma que a concentração de renda continua sendo um drama na região, a mais desigual do planeta.O documento diz ainda que o desemprego vem caindo desde 2002 na maioria das áreas urbanas, mas ainda é alto. A taxa de desocupação permanece mais alta entre pobres, mulheres e jovens, diz a Cepal.O Panorama Social aborda também a violência juvenil e familiar na América Latina. "Essa violência se nutre de diversas formas de exclusão social, como a desigualdade de oportunidades e a falta de acesso ao emprego", diz o relatório."A essas questões, somam-se a violência das quadrilhas e o recrutamento de jovens nas redes de crime organizado e conflitos armados", completa.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.