Indiferença com menina atropelada gera revolta na China

Menina de 2 anos atropelada por 2 vans em mercado foi deixada sangrando no chão e ignorada por 18 pessoas que passaram pelo local até ser resgatada.

BBC Brasil, BBC

18 Outubro 2011 | 07h36

Imagens divulgadas pela TV chinesa mostrando a indiferença de pessoas sobre uma menina de 2 anos atropelada duas vezes em um mercado vêm provocando choque e revolta no país.

As imagens, captadas por uma câmera de segurança no local, mostra a menina Yue Yue caminhando pelo mercado, na cidade de Foshan, antes de ser atingida por um furgão.

O furgão para por um momento, mas continua sem dar assistência à menina, que fica caída no chão, sangrando. Ao longo de sete minutos, ela é ignorada por 18 pessoas que passam pelo local e ainda é atropelada por um segundo veículo.

A menina foi finalmente resgatada por uma lixeira e levada a um hospital, gravemente ferida. Segundo a mídia chinesa, ela continua em coma, mas teve morte cerebral.

A polícia prendeu os motoristas dos veículos, que disseram que não viram a menina.

O caso, que ocorreu na quinta-feira, provocou milhões de manifestações de chineses na internet. Muitos perguntam onde estão os valores morais dos chineses.

"A sociedade está seriamente doente. Nem mesmo gatos e cachorros deveriam ser tratados dessa maneira tão sem coração", diz um comentário no microblog chinês Weibo.

Outros comentários sugeriram que os transeuntes temeriam ser responsabilizados pelo ocorrido se ajudassem a menina. Eles citam o caso de um homem que tentou ajudar uma idosa que sofreu um tombo e acabou sendo processado, aparentemente porque sua intervenção teria violado as regras do governo sobre como lidar com vítimas de acidentes. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Mais conteúdo sobre:
china atropelamento menina mercado revolta

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.