Índios brasileiros pedem apoio do papa em batalha fundiária

Índios brasileiros afetadospela demarcação de reservas na Amazônia se reuniram nestaquarta-feira com o papa Bento 16 no Vaticano para pedir apoioda Igreja Católica em esforços para defender o seu espaço,obtido há três anos. O governo brasileiro criou a reserva Raposa Serra do Sol nonorte do Estado de Roraima em 2005, mas os planos de remover osfazendeiros que não são indígenas e habitam a região geraramuma batalha legal e estimularam a violência. Homens mascarados atiraram e feriram 10 índios em 5 demaio, incluindo um garoto de 12 anos, disseram os indígenas. "Eu disse (ao papa) que nós estamos pedindo apoio paranossa reserva no Brasil, que nós precisamos do apoio dele",disse à Reuters Jacir José de Souza, da tribo Makuxi. Souza afirmou que o pontífice disse a ele que "fariapossível para ajudar", mas o Vaticano não comentou sobre abreve conversa após a audiência geral do papa desta semana. Pierlangela Nascimento da Cunha, da tribo Wapixana, a outraindígena que se reuniu com o papa, disse que o encontrogarantiria à sua comunidade que o mundo está atento à situação. "O fato é de estarmos aqui hoje vai implicar que outraspessoas saberão sobre nossa situação. Isso nos conforta, nãoestamos sozinhos", afirmou. Cunha disse que 21 índios na região foram mortos na onda deviolência e de disputas fundiárias desde a década de 1970. (Reportagem de Phil Stewart)seu espaço, obtido há três anos. O governo brasileiro criou a reserva Raposa Serra do Sol nonorte do Estado de Roraima em 2005, mas os planos de remover osfazendeiros que não são indígenas e habitam a região geraramuma batalha legal e estimularam a violência. Homens mascarados atiraram e feriram 10 índios em 5 demaio, incluindo um garoto de 12 anos, disseram os indígenas. "Eu disse (ao papa) que nós estamos pedindo apoio paranossa reserva no Brasil, que nós precisamos do apoio dele",disse à Reuters Jacir José de Souza, da tribo Makuxi. Souza afirmou que o pontífice disse a ele que "fariapossível para ajudar", mas o Vaticano não comentou sobre abreve conversa após a audiência geral do papa desta semana. Pierlangela Nascimento da Cunha, da tribo Wapixana, a outraindígena que se reuniu com o papa, disse que o encontrogarantiria à sua comunidade que o mundo está atento à situação. "O fato é de estarmos aqui hoje vai implicar que outraspessoas saberão sobre nossa situação. Isso nos conforta, nãoestamos sozinhos", afirmou. Cunha disse que 21 índios na região foram mortos na onda deviolência e de disputas fundiárias desde a década de 1970. (Reportagem de Phil Stewart)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.