Mario Canivello/Divulgação
Mario Canivello/Divulgação

Inédita de Chico Buarque movimenta a internet

Cadastro em site para ouvir uma música do novo disco do cantor demorou horas

Jotabê Medeiros, O Estado de S.Paulo

21 Junho 2011 | 00h00

"Chicólatras" congestionaram o site de Chico Buarque, à espera da primeira música do seu novo disco de inéditas. A primeira canção, publicada ontem, foi Querido Diário, homônima de composição de João Bosco e Aldir Blanc (1982, do disco Comissão de Frente).

Muitos levaram horas para se cadastrar no site - o Estado só conseguiu no meio da tarde. Os responsáveis alegaram problemas no servidor.

A pré-compra pela internet (por R$ 29,90 em chicobastidores.com.br) dá a vantagem de receber o disco em 22 de julho. Intitulado Chico, possui dez faixas e sairá pela Biscoito Fino.

Segundo anunciado, tem participação de João Bosco em Sinhá; de Thais Gulin em Se Eu Soubesse; e Wilson das Neves em Sou Eu (de Chico e Ivan Lins). Chico anunciou que celebrará o blues e a bossa, "sem esquecer o samba". Pelo menos uma das músicas inéditas, Nina, é uma valsa.

A nova canção tem 2 minutos e 50 segundos. A percussão entra após um minuto e meio, e o arranjo orquestral, no final. O manuscrito da letra está no site.

Querido Diário mostra Chico com a velha pegada poética. Versos simples conduzem a conclusões existenciais sofisticadas - André Luiz Câmara, no blog Esquinas e Quintais, lembrou que o compositor parece se referir à saga de Pigmalião, escultor cipriota que se apaixonou por uma das imagens femininas que esculpiu. "Por uma estátua ter adoração/ Amar uma mulher/ Sem orifício", diz o trecho.

O último disco de inéditas de Chico, Carioca, saiu em 2006, também pela Biscoito Fino.

A LETRA

Querido Diário

"Hoje topei com alguns conhecidos meus/ me dão bom dia cheios de carinho/ dizem pra eu ter muita luz, ficar com Deus/ eles têm pena de eu viver sozinho. Hoje a cidade acordou toda em contramão/ Homens com raiva, buzinas, sirenes, estardalhaço/ De volta a casa na rua/ Recolhi um cão/ Que de hora em hora me arranca um pedaço/ Hoje pensei em ter religião/ De alguma ovelha, talvez, fazer sacrifício/ Por uma estátua ter adoração/Amar uma mulher/ Sem orifício/Hoje afinal conheci o amor/ E era o amor uma obscura trama/ Não bato nela, não bato/ Nem com uma flor/ Mas se ela chora/ Desejo me inflama/ Hoje o inimigo feliz veio me espreitar/ Armou tocaia lá na curva do rio/ Trouxe um porrete e um porreta mode me quebrar/ Mas eu não quebro não/ Por que sou macio, viu?"

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.