Inep estuda regra contra 'deboche' em redações

Instituto quer alterar edital do Enem para dar zero a texto que contenha brincadeira

PAULO SALDAÑA, O Estado de S.Paulo

22 de março de 2013 | 02h03

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) deve mudar o edital do próximo Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) para que redações que contenham brincadeiras sejam zeradas. O órgão, que é ligado ao Ministério da Educação (MEC), ainda vai discutir a adoção de uma grade de correção mais precisa para que a quantidade de erros seja levada em conta na atribuição das notas.

O presidente do Inep, Luiz Cláudio Costa, afirmou que a ideia é prever no edital a punição ao candidato. "Ele tem de ser punido, por respeito ao participante sério. Mas isso não é fácil, porque há vários casos em que o estudante se confunde, faz digressões não propositais", diz ele, que vai levar o debate para a área técnica do Inep.

Nos últimos dias foram divulgadas redações com brincadeiras no meio do texto - como um candidato que colocou uma receita de macarrão instantâneo e outro que transcreveu o hino do Palmeiras. Apesar disso, conseguiram notas 560 e 500, respectivamente, em uma escala que vai de 0 a 1.000.

Costa defendeu que as avaliações da edição de 2012 foram feitas de modo correto. "O edital diz que só recebe zero o candidato que fugir totalmente do tema. Eles foram penalizados", diz.

O Inep encontrou cerca de 300 redações com inserções indevidas. Participaram este ano 5.692 corretores - 300 foram afastados durante o processo por terem desempenho considerado ruim.

Além de debater como a punição aos deboches será feita, o presidente do Inep afirmou que o exame pode ganhar uma grade em que a nota seja atribuída a partir da contagem de erros - o que é defendido por alguns especialistas em educação. Recentemente, redações com nota máxima que continham erros de ortografia causaram polêmica. "Vamos discutir essa mudança, sobre a qual há vários posicionamentos. Mas nosso entendimento sempre foi que a explicitação da norma culta é fundamental."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.