Ingrid Betancourt foi resgatada, anuncia Governo da Colômbia

Política colombiana era refém das Farc desde 2002; outros 14 reféns teriam sido soltos.

Claudia Jardim, BBC

02 de julho de 2008 | 17h39

O ministro de Defesa da Colômbia, Juan Manuel Santos, anunciou nesta quarta-feira que o Exército do país resgatou a política colombiana Ingrid Betancourt, que era mantida como refém havia seis anos pelas Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia).Segundo Santos, além de Betancourt, os militares resgataram mais 14 reféns: três americanos e 11 policiais e soldados colombianos."Estão livres, sãos e salvos", afirmou o ministro. "Esta operação não tem precedentes e deixa em alta a qualidade e profissionalismo das Forças Armadas Colombianas." De acordo com informações do ministro, o Exército capturou aos guerrilheiros que faziam um cordão de segurança na área de cativeiro dos seqüestrados e que esses rebeldes teriam convencidos aos demais guerrilheiros a entregar os reféns.Ingrid Betancourt foi seqüestrada em 2002 quando concorria à Presidência da Colômbia. Com nacionalidades colombiana e francesa, ela era a refém mais importante da guerrilha e compunha ao lado de outras 38 pessoas o grupo de reféns considerados passíveis de troca em um acordo humanitário entre governo e guerrilheiros. Em abril, em meio a relatos sobre o seu frágil estado de saúde, chegou-se a especular que Betancourt poderia estar morta. Na época, a candidata apareceu em um vídeo com semblante fraco e doente. Outros refénsSegundo o ministro da Defesa, o Exército colombiano poupou a vida dos guerrilheiros que estavam em poder dos reféns na esperança de que o grupo armado liberte o restante dos seqüestrados em seu poder. "Decidimos não atacá-los e respeitamos a vida (dos guerrilheiros) para que as Farc em reciprocidade soltem o resto dos seqüestrados." Estima-se que as Farc detenham cerca de 700 pessoas em seu poder.O ministro também mencionou "infiltração" da guerrilha no estado de Guaviare, mas não deu detalhes sobre essa informação.Santos fez um apelo "às cabeças" das Farc para que entreguem as armas e evitem derramamento de sangue."O governo afirma que se querem negociar, oferecemos a eles uma paz digna", disse Santos ao final da coletiva de imprensa em que anunciou o resgate dos reféns.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.