Inocentado marido que expôs na internet caso de esposa com chefe

Ian Puddick foi acusado de assédio por divulgar detalhes do relacionamento em Twitter, blogs e vídeos.

BBC Brasil, BBC

20 Junho 2011 | 09h00

O britânico Ian Puddick foi inocentado da acusação de assédio, por ter postado detalhes sobre o caso que sua esposa teve com o chefe dela usando Twitter, blogs e vídeos online.

O bombeiro hidráulico e empresário Ian Puddick, de 41 anos, descobriu que sua esposa, Leena Puddick, mantinha um romance com seu então chefe, Timothy Haynes, após ler uma mensagem de texto em seu telefone celular em 2009.

Puddick teria se vingado telefonando para amigos e colegas de trabalho de Haynes e publicando detalhes tórridos do romance na internet.

O bombeiro hidráulico saudou a decisão da Justiça britânica como sendo ''uma vitória da liberdade de expressão e do homem comum''.

Ele estava acompanhado de sua mulher e sorriu e socou o ar quando a decisão foi divulgada, ao fim de um julgamento de três dias.

''Nos últimos 12 meses, esse assunto tomou conta da minha vida. Pura e simplesmente houve um abuso de poder. Se isso pode acontecer comigo, pode acontecer com qualquer um.''

Durante o julgamento, foram divulgados detalhes dos e-mails e mensagens de telefone celular que Haynes enviou à esposa de Puddick durante o caso.

De acordo com Puddick, Haynes e sua mulher teriam feito sexo pela primeira vez durante uma festa de Natal em 2002.

De acordo com Leena Puddick, ela costumava receber de Haynes entre 30 a 40 mensagens por dia, e costumava pagar por gastos que eles mantinham quando iam jantar e beber.

Haynes, que perdeu seu emprego na companhia de seguros por conta do caso, admitiu que agiu de forma enganosa.

Mas acrescentou que Puddick lançou ''uma campanha de assédio'' contra ele.

Haynes disse que tanto ele como sua mulher precisaram do auxílio de um psicólogo, após ''o constrangimento e vergonha'' gerados pelo incidente. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.