Instituto estrangeiro recupera Cassino da Urca no Rio

Fechado e abandonado por três décadas, desde a falência da TV Tupi, o prédio de 1922 que já abrigou o Hotel Balneário e o Cassino da Urca, na zona sul do Rio, será reaberto ao público em abril com nome italiano: Istituto Europeo di Design - IED. Trata-se de uma previsão do grupo estrangeiro que ganhou da prefeitura a concessão do lugar por 25 anos (renováveis), sem concorrência, e já gastou R$ 6 milhões na reforma, apesar da oposição da Associação dos Moradores da Urca (Amour).

AE, Agencia Estado

19 de março de 2009 | 10h03

Os italianos devem desembolsar mais R$ 10 milhões para concluir até 2011 a restauração do teatro anexo, que ficou famoso na década de 1930 com apresentações de artistas como Carmen Miranda e Dick Farney. As salas de aula do IED estão prontas, mas a briga com a Amour continua, pelo bairro e na Justiça. O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) também havia entrado na disputa por causa de um edifício-garagem que estava previsto no projeto, ao lado do antigo cassino. ?Fizemos exigências, que foram cumpridas, e o projeto foi aprovado?, disse o superintendente do Iphan no Rio, Carlos Fernando Andrade.

Segundo o IED, a visitação será aberta. Serão mantidos, na próxima fase da reforma, a geometria original do palco e o mezanino do teatro para 200 pessoas, no segundo bloco, que recebeu Walt Disney em 1941. Cinco anos depois, o jogo foi proibido, e o cassino, desativado. No fim daquela década, os estúdios da TV Tupi foram instalados no prédio. O auditório foi palco de programas como o de calouros apresentado pelo compositor Ary Barroso. A TV saiu do ar em 1980. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
patrimônioRJCassino da Urca

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.