Institutos de saúde formam aliança internacional

Em meio ao temor de uma pandemia de gripe aviária, uma associação formada por institutos nacionais de saúde pública de 40 países, oficializada no Rio, pode dar aos governos uma rapidez essencial para lidar com as conseqüências de uma eventual disseminação da doença. Inicialmente composto por 10 mil especialistas de todos os continentes, o grupo pode ser ainda maior, já que a intenção da executiva é não só ampliar a participação, como fomentar a criação de institutos similares. "Não se pode traçar uma política de saúde sem dados científicos para embasá-la. Sem a precisão técnica, ela pode falhar gravemente. Nós fornecemos as informações e, trabalhando em conjunto, isso pode ser feito muito mais rapidamente. Não podemos garantir que os governos vão seguir exatamente o que dissermos, mas precisamos estar preparados para os grandes desafios, como os desastres naturais, a gripe aviária e as doenças crônicas", ressaltou o ex-diretor dos Centros para Controle e Previsão de Doenças (CDCs) dos Estados Unidos, Jeffrey Koplan. Eleito presidente da executiva da associação, criada após quatro anos de esforços, o especialista, professor da Emory University, explicou que uma linha direta vai ser estabelecida entre os institutos, facilitando a troca de informações. "Há problemas de saúde globais, enfrentados por todos os países. Quem já sabe qual a melhor medida a adotar, em determinado tipo de situação, pode repassar de imediato os procedimentos", disse, observando que não é prerrogativa do grupo tratar de questões comerciais, como quebra de patentes. Já o presidente da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Paulo Buss, disse acreditar que a associação vai desempenhar um papel fundamental na elaboração de políticas públicas de saúde, pois representa um grupo especializado e reconhecido. "Dificilmente um governo seria contra uma força assim", afirmou, lembrando que, no Brasil, a Fiocruz já tem uma plena participação na elaboração de diretrizes do governo.

Agencia Estado,

31 de janeiro de 2006 | 19h43

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.