Insumos orgânicos: à espera da lei

Setor aguarda aprovação da lei específica, que permitirá obter meios adequados para [br]registrar produtos

Fernanda Yoneya, O Estado de S.Paulo

26 de setembro de 2007 | 02h31

À espera da aprovação do decreto que regulamenta a Lei 10.831/2003 - a ''''Lei dos Orgânicos'''', há quase dois anos em análise no Ministério da Agricultura e na Casa Civil -, fabricantes de insumos naturais também aguardam modificações na legislação no que diz respeito ao registro desses produtos.Segundo o pesquisador Marcelo Augusto Boechat Morandi, da Embrapa Meio Ambiente, a dificuldade e o custo para obter o registro tornam inviável a produção de extratos vegetais, caldas, fertilizantes e condicionadores de solo, organismos vivos e material propagativo. ''''Quem produz deve ter registro no Ministério da Agricultura, mas o processo é lento e caro, pois não há na lei diferenciação para insumos orgânicos'''', diz. Isso significa que o registro de uma calda natural segue os mesmos critérios de um defensivo químico. ''''O custo é alto por causa dos testes toxicológicos, nem sempre apropriados'''', diz. ''''Se houver uma lei que regule o setor, o processo ficará mais simples e ágil.''''RESPALDO LEGALPara o presidente da Associação das Indústrias de Substratos, Fertilizantes Orgânicos e Condicionadores de Solo (Abisolo), Carlos Augusto Mendes, falta respaldo legal para a produção desses insumos. Ele, assim como a Associação dos Produtores de Agricultura Natural (Apan), acredita que, com a aprovação da lei dos orgânicos, serão definidos critérios de produção, comércio e fiscalização. ''''Isso padronizará o setor e representará um ganho imenso em qualidade.''''A cadeia produtiva reuniu-se semana passada, em Jaguariúna (SP), e o próximo passo, diz Morandi, é promover, em dezembro, um encontro em Brasília (DF), com a participação de representantes dos Ministérios da Agricultura, da Saúde e do Meio Ambiente.INFORMAÇÕES: Embrapa, tel. (0--19) 3867-8700; Abisolo, tel. (0--11) 5083-9430

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.