Inter tem de contar com a boa vontade do Grêmio

A vitória de virada por 2 a 1 sobre o Sport leva o Colorado ao segundo lugar e à necessidade de torcer por rival

, O Estadao de S.Paulo

30 de novembro de 2009 | 00h00

O futebol é pura emoção. E ironia também. O Internacional chega à última rodada do Brasileiro necessitando da ajuda de seu maior rival, o Grêmio, para ser campeão. Com os 2 a 1 de virada sobre o Sport, ontem à tarde, na Ilha do Retiro, a equipe do técnico Mário Sérgio assumiu a vice-liderança, com 62 pontos. Mas para chegar ao título, o que não acontece desde 1979, não basta apenas ganhar do Santo André, em casa, domingo: precisa que o Grêmio ao menos empate com o Flamengo no Maracanã.

A rivalidade entre os dois gaúchos é tão grande que já ontem certas declarações sugeriam que a disputa pode não ter a lisura que o esporte exige: "O Inter não pode nunca confiar no Grêmio, nem o Grêmio no Inter", afirmou o presidente do tricolor, Duda Kroeff. E acrescentou: "Existe essa possibilidade (férias antecipadas), sempre existiu. Amanhã (hoje) vamos ver." O meia Souza reforçou a suspeita deixada no ar por Kroeff: "Nenhum jogador quer ficar marcado por ajudar um grande rival. Se vier a ordem para que a gente jogue, a gente vai jogar, se não vier, paciência", disse depois de o Grêmio vencer o Barueri, por 4 a 2, no Olímpico.

Mario Sérgio, ex-jogador do Colorado, assumiu discurso político. "Acredito mesmo no Grêmio. Do fundo do meu coração. Tenho relacionamento forte com Inter e Grêmio. Conhecendo as pessoas que dirigem os clubes, sei que nenhum deles entregaria o jogo." E afirmou com todas as letras: "Se o Flamengo ganhar, vai ser por merecimento, não porque o Grêmio entregou, tenho certeza".

Em conversa com Souza, do Grêmio, através da Rádio Gaúcha, ontem, Andrezinho do Internacional, ouviu depois de o meia do Colorado lhe pedir que "jogasse o que sabe" contra o Flamengo: "O futebol é engraçado...O que eu posso falar é que vamos fazer a nossa parte para acabar o campeonato com dignidade. Mas estamos aqui para acatar ordens", declarou. "Tem que falar com o presidente. Se ele prender, a gente fica preso. Se ele soltar, a gente joga", afirmou Souza.

Não foi fácil para o Internacional, ontem, garantir a vitória. Até boa parte do segundo tempo, o Internacional foi submetido à supremacia do Sport, já rebaixado. Aos 40, o Sport fez 1 a 0, com Vandinho. Mas, aos 22 do segundo tempo, encarou novamente a dura realidade: o Inter empatou com gol de Kleber. A virada veio aos 39 minutos: Andrezinho cobrou falta da entrada da área, com pontaria perfeita.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.