Interceptadas supostas peças de mísseis da Coreia do Norte para Síria

Um carregamento de cilindros de grafite utilizáveis ??em um programa de mísseis e suspeito de ter partido da Coreia do Norte foi encontrado em maio a bordo de um navio chinês a caminho da Síria, no que parece ter sido uma violação a sanções da ONU, disseram diplomatas.

LOUIS CHARBONNEAU, Reuters

14 de novembro de 2012 | 08h22

Autoridades sul-coreanas apreenderam o carregamento de 445 cilindros de grafite, que tinham sido declarados como canos de chumbo, em um navio chinês chamado Yan Xin Tai, disseram diplomatas do Conselho de Segurança da ONU à Reuters, sob condição de anonimato, na terça-feira.

As autoridades sul-coreanas pararam o navio no porto de Busan, disseram os diplomatas, acrescentando que os cilindros eram destinados a uma empresa síria chamada Electric Parts.

Autoridades sul-coreanas informaram ao comitê de sanções à Coreia do Norte do Conselho de Segurança sobre a apreensão em 24 de outubro, segundo os enviados, e a China se ofereceu para ajudar a investigar as circunstâncias do incidente.

"Parece que os cilindros eram destinados ao programa de mísseis da Síria", disse um diplomata. "A China nos garantiu que irá investigar o que parece ser uma violação das sanções da ONU."

Outro diplomata disse: "É possível que a tripulação do navio chinês não tivesse ideia do que realmente estava carregando. É bom que a China tenha expressado vontade de investigar."

O porta-voz da chancelaria chinesa Hong Lei disse que a China seguiu estritamente as resoluções da ONU e seus próprios controles de não-proliferação.

"A China vai lidar com comportamentos que violem resoluções pertinentes ao Conselho de Segurança e as leis e regulamentos chineses", disse ele a repórteres em Pequim.

Diplomatas disseram que os cilindros de grafite parecem ser consistentes com material utilizado em programas de mísseis balísticos e que a Coreia do Sul investigará o caso junto com a China.

O embarque para a Síria foi organizado por uma empresa de comércio norte-coreana, segundo diplomatas. Um diplomata disse que a empresa síria que era para ter recebido os cilindros pode ser uma subsidiária da empresa de comércio norte-coreana.

A Coreia do Norte está impedida de importar ou exportar tecnologia nuclear e de mísseis sob sanções do Conselho de Segurança da ONU impostas a Pyongyang por causa de seus testes nucleares em 2006 e 2009.

Há sanções dos EUA e da União Europeia à Síria, mas não há embargo de armas da ONU contra o governo do presidente sírio, Bashar al-Assad, que lidera uma campanha militar de 20 meses contra uma oposição cada vez mais armada.

A Rússia e o Irã foram os principais fornecedores de armas para Assad.

(Reportagem adicional de Michael Martina em Pequim)

Tudo o que sabemos sobre:
SIRIAMISSILCOREIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.