Interditado no Rio prédio onde 60 foram intoxicados

O prédio no centro do Rio de Janeiro onde cerca de 60 pessoas sofreram intoxicação respiratória ontem foi interditado até segunda-feira. Inicialmente a suspeita era de que cloro havia sido colocado nos dutos de ar condicionado para matar focos do mosquito da dengue. Mas hoje, a Defesa Civil Municipal informou que a hipótese mais provável é que o cloro tenha caído acidentalmente nos dutos, quando empregados lavavam a caixa de água do edifício com o produto químico, para evitar que ali se formassem os focos. O prédio poderá ser reaberto na segunda-feira, quando espera-se que o cheiro forte do cloro tenha se dissipado. Os empregados da empresa de telemarketing Telesoluções começaram a passar mal no fim da tarde de ontem por causa do cheiro forte. Os sintomas mais relatados aos bombeiros que atenderam as vítimas eram falta de ar, tosse, lacrimejamento por conta do ardor nos olhos e ardor na pele. Alguns funcionários chegaram a desmaiar e foram levados por colegas para a rua, onde puderam respirar melhor. Algumas vítimas precisaram ser levadas para o Hospital Municipal Souza Aguiar, também no centro, e liberadas após serem medicadas. Amanhã, equipes da Defesa Civil do município farão uma nova vistoria no prédio. Apesar de aparentemente ter sido um acidente, o caso será investigado pela 1ª Delegacia de Polícia.

TALITA FIGUEIREDO, Agencia Estado

28 de março de 2008 | 20h08

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.