Interferência de arcebispo provoca crise na PUC peruana

Religioso entendeu que a universidade estava se desviando da Igreja e cobrou mudanças em seu estatuto

FILIPE DOMINGUES , PAULO SALDAÑA, O Estado de S.Paulo

23 de abril de 2012 | 03h03

Uma crise religiosa atinge a Pontifícia Universidade Católica do Peru (PUCP). A instituição busca um acordo com a Igreja Católica para manter o vínculo com o Vaticano, mas sem perder autonomia.

Tudo começou porque o arcebispo de Lima, cardeal Juan Luis Cipriani Thorne, entendeu que a universidade estava se desviando do pensamento da Igreja e cobrou mudanças em seu estatuto. O clima lembra o que aconteceu na PUC de São Paulo neste ano (veja quadro ao lado), só que o caso peruano chegou ao Vaticano.

A Santa Sé já cobrou o fim da crise e exige que a PUCP adapte o estatuto à constituição apostólica Ex-Corde Ecclesiae - documento que rege as universidades católicas do mundo, promulgado pelo papa João Paulo II. Sem entendimento, a PUCP pode perder o título de pontifícia.

O prazo dado pelo Vaticano acabou em 8 de abril, e uma reunião, agendada para o dia 13, foi desmarcada pela reitoria sob a alegação de que havia um "impasse". Bispos da Conferência Episcopal Peruana divulgaram na semana passada um comunicado em que pedem o retorno do diálogo.

Interferência. A crise começou em setembro passado. O arcebispo peruano exigiu a mudança no estatuto da universidade para que fosse garantido a ele o direito de indicar o reitor - a partir de uma lista tríplice que seria definida pela universidade, em assembleia. O atual reitor, Marcial Rubio, recusou a mudança.

Rubio, professores e parte dos alunos temem a perda de autonomia da atividade acadêmica com uma presença maior da Igreja na direção da PUCP. Até agora, a situação não foi resolvida.

A reitoria da PUCP não vê com bons olhos a mudança do estatuto, mas ao mesmo tempo não quer perder o título de pontifícia. Caso se torne independente, poderia ter de abrir mão de suas propriedades, que correriam o risco de ser repassadas para a Arquidiocese de Lima. O doador do terreno onde está a PUCP vinculou a herança ao uso por uma universidade pontifícia.

O reitor Rubio chegou a fazer ataques pesados ao cardeal Cipriani. Ao jornal peruano El Comércio, afirmou que o cardeal tem interesses no patrimônio da PUC. "Estou absolutamente seguro que o cardeal quer o controle econômico", disse ele, acusando Cipriani de ser "inimigo" da universidade. "Ele quer se apoderar dos bens."

O Vaticano enviou um representante até Lima e convocou o reitor para prestar esclarecimentos. Foi o secretário de Estado do Vaticano, cardeal Tarcisio Bertone, quem estabeleceu o prazo máximo de 8 de abril para que a PUCP se adaptasse à Ex-Corde Ecclesiae.

Desafios. Garantir total liberdade de pensamento no ambiente acadêmico dentro de uma instituição orientada pelas doutrinas religiosas é um dilema presente em muitas pontifícias universidades espalhadas pelo mundo. Isso porque as PUCs são vinculadas ao Vaticano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.