Intimidade com leões é ganha-pão de cientista na África

Consultor sobre comportamento de animais lida com mais de 60 leões.

Eric Brücher Camara, BBC

08 de agosto de 2007 | 05h36

Para muitos, o trabalho do cientista Kevin Richards é o enredo de um pesadelo: ficar sob as patas de uma leoa ou encarar a boca de uma hiena, no entanto, são tarefas quase diárias para ele.Richards é um consultor para o comportamento de animais e trabalha com leões, hienas, jaguares e leopardos na África. Atualmente, ele treina os "astros e estrelas" do filme White Lion, ainda em fase de produção, e colabora em vários documentários.O consultor, formado em biologia, tem especializações em fisiologia e anatomia humana, mas começou a trabalhar com leões há quase dez anos e conta que se apaixonou. Hoje, ele lida com mais de 60 deles."Animais sempre foram a minha paixão, quer dizer, (trabalhar com eles) foi uma progressão natural. Sempre digo que você não precisa necessariamente estudar para trabalhar com animais. Só é preciso uma coisa: paixão", afirmou Richards à BBC Brasil.Ele lembra que, algumas vezes, a paixão quase lhe custou a vida.Certa vez, um leão de cerca de três anos, que Richards conhecera há pouco mais de três meses, o derrubou, o imobilizou com as patas e deu-lhe várias mordidas."Ele não queria me matar, mas sim, provar que era o macho dominante", disse Richards, que, ao não oferecer resistência, conseguiu acalmar o bicho, até que um colega pôde socorrê-lo.O incidente ensinou o cientista a estudar melhor as reações dos animais. Hoje, ele diz não considerar leões e outros predadores mais imprevisíveis que pessoas.Para ele, pessoas ou animais, todos têm personalidades e naturezas diferentes e nunca se pode adivinhar exatamente o que eles pensam."Saber disso me ajudou a melhorar o relacionamento com outras pessoas, já que você acaba desenvolvendo um sexto sentido para o humor delas."Além de tratar de vários leões, hoje Kevin Richards está criando um parque de caça batizado de "Reino do Leão Branco".BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.