Inundações na Tailândia afetam mais fábricas e 297 já morreram

As inundações na Tailândia atingiram neste domingo outro Estado industrial, mas a capital Bangkok parece ter escapado da devastação vista no resto do país, apesar de fortes chuvas de monções e águas que vão em direção à cidade vindas do norte.

VI, REUTERS

16 de outubro de 2011 | 13h58

As inundações deixaram 297 mortos desde o fim de julho e causaram 3 milhões de dólares em danos. Um terço do país está sob a água, mas autoridades acreditam que Bangkok, situada em terreno baixo, não sofrerá depois de ter fortalecido seus sistemas de diques e canais de defesa.

"Estamos drenando canais tanto em zonas orientais como ocidentais, deveríamos terminar em não mais de uma semana. O departamento de irrigação entregou uma atualização da situação da água, o que nos tranquiliza", disse a primeira-ministra, Yingluck Shinawatra, a repórteres.

As províncias de Ayutthaya, Pathum Thani e Nakhon Sawan, ao norte de Bangkok, foram devastadas. As inundações arrasaram casas e obrigaram no sábado o fechamento de vários parques industriais, incluindo o complexo Bang Pa-In, em Ayutthaya.

Outro complexo, Factory Land, também em Ayutthaya, que possui 93 fábricas com 8.500 funcionários, foi inundado nas primeiras horas do domingo.

A maioria das fábricas se dedica à produção de componentes eletrônicos e peças automotivas, o que aumentará o problema das empresas internacionais que usam a Tailândia como centro regional de produção.

"A água entrou à meia-noite. Os operadores estavam cientes disso e retiraram as pessoas do complexo... Até agora, cinco conjuntos industriais foram inundados", disse Prayoon Tingthong, responsável pelos assuntos industriais da província.

A montadora japonesa Honda fechou a sua fábrica em Ayutthaya que representa 4,7 por cento da produção global da empresa, e afirmou na sexta-feira que ela ficará fora de operação até 21 de outubro.

(Reportagem adicional de Jutarat Skulpichetrat e Pracha Hariraksapitak)

Mais conteúdo sobre:
TAILANDIAINUNDACOES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.