Invasão de formigas cria dilema para monges pacifistas

Um grupo de monges budistas da Malásia está pedindo ajuda na resolução de um problema: a invasão de formigas. Como a religião budista proíbe que os devotos façam mal a qualquer criatura viva, os monges estão procurando uma solução criativa e não violenta para o problema dos insetos que estão mordendo os devotos. Os monges do templo de Ang Hock Si, também conhecido como Hong Hock See, em Georgetown, na Ilha de Penang, tiveram de aprender a conviver com a natureza. Há alguns anos, tiveram de compartilhar o templo com uma cobra naja.O líder do templo, o Venerável Boon Keng, disse à BBC que os monges tinham até se habituado a meditar ao lado da naja, mas acabaram decidindo capturá-la e levá-la para uma floresta próxima. Agora, acrescentou o líder, o lugar da naja foi ocupado por uma colônia de formigas. Aspirador de PóOs insetos estão despencando de cima de uma Árvore Bodhi plantada no templo (figueira sagrada ou Ficus religiosa, considerada sagrada pelos budistas) sobre as pessoas meditando embaixo - e quando mordem, a picada incha e dói.O Venerável Boon Keng pratica o que ele chama de meditação "do desprendimento" (em tradução livre) - então ele "se desliga" da dor.Entretanto, em consideração aos devotos menos avançados no caminho da luz, os monges estão procurando formas de persuadir as formigas a ir embora. Uma tentativa de removê-las com um aspirador de pó fracassou, então a comunidade budista está pedindo ajuda.Os monges não podem encorajar ninguém a fazer mal às formigas, mas seu líder disse que se alguém aparecer espontaneamente e lidar com elas sem o envolvimento dos monges, esta será a vontade do universo.

Agencia Estado,

12 de março de 2007 | 17h18

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.