Investidor nos EUA poderá negociar contratos ligados ao Ibovespa

A BM&FBovespa anunciou nesta quinta-feira que o órgão regulador do mercado norte-americano de derivativos (CFTC) autorizou a negociação de contratos ligados ao Ibovespa por investidores nos Estados Unidos.

DANIELA MACHADO E ELZIO BARRETO, REUTERS

27 Agosto 2009 | 21h18

A bolsa brasileira tem buscado se internacionalizar e, desde o final do ano passado, conta com uma parceria com o CME Group pela qual investidores estrangeiros já têm acesso a uma série de outros produtos da BM&FBovespa.

Segundo o presidente-executivo do CME Group, Craig Donohue, o potencial de negociação aberto com a aprovação do CFTC é enorme, dado o interesse que seus clientes demonstram com outros contratos ligados a índices acionários de outros mercados.

"Nossa base de clientes está extremamente interessada nos produtos ligados ao índice Bovespa", afirmou a jornalistas na abertura do congresso de mercados financeiros e de capitais organizado pela BM&FBovespa em Campos do Jordão (SP).

Os derivativos ligados ao Ibovespa ocupam a terceira posição entre os ativos mais negociados na BM&FBovespa, atrás dos contratos de juros futuros e de dólar.

"O nosso mercado de capitais é a menina dos olhos, principalmente dos investidores não-residentes", afirmou Edemir Pinto, diretor-presidente da BM&FBovespa. "Temos uma expectativa muito grande (de ampliação do volume negociado a partir da autorização do CFTC)."

Foram liberadas as operações com Ibovespa futuro, contratos de opção de compra e venda sobre Ibovespa futuro, estratégia de Forward Points e rolagem de Ibovespa.

Na véspera, a BM&FBovespa já havia anunciado o início de discussões para uma possível parceria estratégica e tecnológica com a Nasdaq OMX. As conversas, em caráter exclusivo, podem durar 60 dias.

Mais conteúdo sobre:
MERCADOSBMFBOVESPAATUA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.