Investidor que perdeu tudo em esquema de Madoff comete suicídio

Um ex-soldado britânico cometeu suicídio após perder as economias de uma vida inteira na suposta fraude de 50 bilhões de dólares que teria sido cometida pelo investidor de Wall Street Bernard Madoff, informaram notícias divulgadas na sexta-feira. William Foxton, de 65 anos, que serviu no Exército britânico e recentemente atuou como prestador de serviços no setor de defesa no Afeganistão, morreu com um único tiro na cabeça na cidade inglesa de Southhampton, na terça-feira, segundo a polícia. "Uma pistola foi encontrada no local. A polícia não acredita que a morte seja suspeita", afirma um comunicado policial. Segundo notícias, a morte de Foxton foi um suicídio e alguns órgãos de imprensa citaram o filho do ex-soldado, Willard, que relacionou o ocorrido à perda de 1 milhão de libras (1,45 milhão de dólares) na suposta fraude de Madoff. O site da BBC na Internet afirma que Foxton investiu as economias de toda sua vida em dois fundos de hedge sediados na Áustria. Mas, pouco antes de sua morte, descobriu que os dois fundos em que investiu haviam fechado e os recursos investidos no esquema de Madoff. "Quero que Madoff e os demais envolvidos saibam que têm o sangue de meu pai nas mãos", disse Willard Foxton segundo o Daily Telegraph. "Estou com muita raiva. A primeira coisa que passou pela minha cabeça foi aparecer no julgamento de Madoff em Nova York e jogar as medalhas do meu pai na cara dele." William Foxton serviu no Exército britânico até meados dos anos 1970. Ele perdeu um braço numa explosão em 1976 e depois se juntou às Forças Armadas do sultão de Omã, onde chegou à patente de major, segundo o jornal. Ele também trabalhou em missões humanitárias da Organização das Nações Unidas (ONU) e, nos anos 1990, liderou uma missão de monitoramento da Comissão Europeia nos Balcãs. (Reportagem de Adrian Croft)

REUTERS

13 de fevereiro de 2009 | 22h40

Tudo o que sabemos sobre:
CRISEINVESTIDORSEMATA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.