Investigador de Santo André-SP é morto com 12 tiros

O policial civil Ramiro Diniz Júnior, de 44 anos, foi executado na frente da mulher e dos dois filhos no Dia dos Pais, em Santo André, no ABC, região metropolitana de São Paulo. O crime aconteceu domingo à tarde, quando o policial chegava em seu açougue. Ele foi morto com 12 tiros de fuzil. O caso pode estar relacionado com a máfia dos caça-níqueis e bingos, além de outros dois assassinatos ocorridos neste ano na mesma cidade.

AE, Agencia Estado

11 Agosto 2009 | 08h28

Diniz Júnior, que há dois anos era chefe do Setor de Investigações Gerais (SIG), havia estacionado seu carro na frente do açougue quando foi surpreendido por um homem vestido de roupa e touca ninja pretas, armado com um fuzil calibre 5,56 milímetros. Três comparsas estavam com o assassino. No veículo do investigador estavam a mulher e os filhos do casal. O assassino se aproximou e sem dizer nada atirou várias vezes. O policial morreu na hora. A mulher e as crianças não se machucaram. Um cliente do açougue ficou ferido em um dos pés com o estilhaço das balas. Os bandidos fugiram. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.