IPC-S acelera para 0,41% na 1a apuração de março

O Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) acelerou a alta para 0,41 por cento na primeira quadrissemana de março, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV), nesta quinta-feira. Na última quadrissemana de fevereiro, o indicador havia fechado com alta de 0,24 por cento.

REUTERS

08 Março 2012 | 10h05

Seis das oito classes que compõem o indicador aceleraram a alta de preços. O grupo Alimentação saiu de uma deflação de 0,02 por cento na última quadrissemana de fevereiro para uma inflação de 0,31 por cento no primeiro levantamento de março, dando a principal contribuição para o avanço do IPC-S.

Destacou-se, nesse grupo, o comportamento dos itens hortaliças e legumes, cuja queda de preços diminuiu de 4,32 por cento na pesquisa anterior para 1,46 por cento na primeira pesquisa de março. Além disso, os preços das frutas aceleraram a alta para 5,20 por cento, ante 3,44 por cento na última apuração do mês passado, e os preços dos ovos passaram para alta de 0,26 por cento, ante queda de 0,77 por cento.

Também tiveram aceleração as altas de preços dos grupos Habitação (de 0,53 para 0,70 por cento), Educação Leitura e Recreação, (de 0,03 para 0,26 por cento), Vestuário (de 0,02 para 0,23 por cento), Transportes (de 0,31 para 0,39 por cento) e Saúde e Cuidados Pessoais ( de 0,42 para 0,49 por cento).

Desaceleraram as altas de preços do grupo Despesas Diversas (de 0,16 para 0,12 por cento), enquanto o grupo Comunicação passou de alta de 0,04 por cento para deflação de 0,02 por cento.

O IPC-S desta primeira quadrissemana de março contraria a tendência de desaceleração apresentada pelos indicadores de preços nas últimas semanas.

Na segunda-feira, a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) informou que o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) de São Paulo caiu 0,07 por cento em fevereiro, ante alta de 0,66 por cento em janeiro.

O Índice Geral de Preços-Disponibilidade Interna (IGP-DI) divulgado pela Fundação Getulio Vargas (FGV) na quarta-feira, subiu 0,07 por cento em fevereiro, ante elevação de 0,30 por cento em janeiro.

Na sexta-feira, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulga o número de fevereiro do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que serve de referência para a meta oficial de inflação.

A queda da inflação favorece a redução da taxa básica de juros, a Selic, que na reunião desta quarta-feira do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central perdeu mais 0,75 ponto percentual, para 9,75 por cento ao ano. (Por Hélio Barboza)

Mais conteúdo sobre:
MACROINFLACAOIPCSATUALIZA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.