IPCA-15 sobe 0,69% em dezembro e fecha ano com alta de 5,78%

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15) registrou em dezembro a maior alta em mais de um ano e meio impulsionado pelos preços de despesas pessoais, e fechou 2012 com avanço de 5,78 por cento.

Reuters

19 Dezembro 2012 | 09h49

De acordo com dados divulgados nesta quarta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a prévia da inflação oficial no país subiu 0,69 por cento em dezembro, maior avanço desde maio de 2011, ante alta de 0,54 por cento em novembro.

O resultado final no ano ficou bem acima do centro da meta do governo, de 4,5 por cento, mas abaixo do acumulado de 2011, quando o IPCA-15 terminou com alta de 6,56 por cento. Nos 12 meses encerrados em novembro, a alta era de 5,64 por cento.

Pesquisa realizada pela Reuters apontou que o indicador subiria 0,66 por cento em dezembro ante novembro, de acordo com a mediana das previsões de 32 analistas. As projeções variaram de 0,55 a 0,72 por cento.

Segundo o IBGE, o grupo Despesas Pessoais foi o que apresentou a maior maior alta e maior aceleração em dezembro, subindo 1,10 por cento após avanço de 0,30 por cento em novembro.

Destacaram-se o aumento dos salários dos empregados domésticos (0,82 por cento), além de excursão (12,15 por cento) e cigarro (2,66 por cento).

ALIMENTOS

Também colaborou para o resultado do IPCA-15 neste mês a aceleração dos preços de alimentação e bebidas para uma alta de 0,97 por cento, ante 0,83 por cento em novembro.

Este foi o grupo de maior variação no acumulado 2012, com alta de 9,84 por cento, seguido por despesas pessoais, com 9,40 por cento.

A inflação volta a acelerar após um ligeiro alívio desencadeado pela desaceleração dos preços dos alimentos, que pressionaram os índices durante meses por conta dos efeitos da seca em regiões produtoras de grãos nos Estados Unidos.

Os preços no atacado já vinham mostrando essa tendência, voltando a registrar alta após apresentarem deflação recentemente. A Fundação Getulio Vargas (FGV) divulgou nesta quarta-feira que o Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M) subiu 0,69 por cento na segunda prévia de dezembro após cair 0,16 por cento no mesmo período de novembro.

O atual cenário de inflação reforça a expectativa de que a Selic deve permanecer por um período prolongado na atual mínima histórica de 7,25 por cento ao ano.

No entanto, o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, afirmou nesta semana que a alta dos preços vai perder força em 2013 devido, entre outros motivos, do menor reajuste do salário mínimo previsto para 2013.

Na pesquisa Focus do BC, analistas elevaram suas projeções para o IPCA e agora preveem alta de 5,60 por cento em 2012 e de 5,42 por cento no próximo ano.

(Por Camila Moreira)

Mais conteúdo sobre:
MACRO IPCAQUINZE ATUA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.