Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Irã confirma esvaziamento da usina nuclear Bushehr

O Irã confirmou neste sábado que irá remover todo o combustível de sua primeira usina nuclear, sinalizando que enfrenta mais problemas com o reator de Bushehr, construído pela Rússia, após décadas de atrasos.

RAMIN MOSTAFAVI, REUTERS

26 de fevereiro de 2011 | 15h32

O enviado nuclear do Irã, Ali Asghar Soltanieh, afirmou à agência de notícias ISNA que engenheiros russos responsáveis pela construção da usina no Irã recomendaram o esvaziamento do combustível para a realização de testes. O chefe da unidade afirmou que a remoção aconteceu por motivos de segurança.

Uma fonte a par do assunto afirmou que o combustível foi esvaziado sob a suspeita de que partículas metálicas do antigo aparelho usado na construção da usina, de quase 30 anos de idade, tinham contaminado o combustível.

"Estamos falando de partículas de cerca de 3 milímetros de diâmetro", afirmou a fonte, que preferiu permanecer anônima. Segundo a fonte, o esvaziamento pode levar seis dias.

A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA, um órgão da ONU), que mencionou o problema com o combustível em um relatório confidencial, ao qual a Reuters teve acesso na sexta-feira, irá supervisionar o procedimento, afirmou Soltanieh.

Um funcionário do Irã afirmou este mês que deveria haver uma investigação acerca do ataque da usina pelo vírus de computador Stuxnet, supostamente uma tentativa dos inimigos do Irã de sabotar o programa nuclear. Segundo ele, é preciso ver se o incidente causou danos à usina de mil megawatts.

O pronunciamento ocorreu após o embaixador russo da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) afirmar que o vírus poderia ter provocado um desastre nuclear das proporções do acidente de Chernobyl, ocorrido na Ucrânia em 1986, então parte da União Soviética.

Tudo o que sabemos sobre:
IRUSINAESVAZIAMENTO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.