Irã expulsa diplomata por acusação de abuso sexual

O diplomata iraniano Hekmatollah Ghorbani, de 50 anos, foi expulso pelo Ministério das Relações Exteriores depois de uma investigação sobre acusações de abusos sexuais no Brasil, indicou o governo iraniano em um comunicado. "Após uma investigação, descobriu-se que o comportamento do diplomata foi contrário ao regulamento administrativo e à boa conduta profissional e islâmica", disse o texto. "Por isso ele foi condenado à expulsão pelo Ministério das Relações Exteriores".

AE, Agência Estado

21 Maio 2012 | 16h57

O diplomata, que estava em Brasília, teve de ir ao Irã por causa da investigação. Segundo a imprensa brasileira, o diplomata foi acusado de ter molestado quatro meninas entre cinco e 15 anos em uma piscina de um clube em Brasília, em abril. O homem foi preso após a denúncia de um dos pais, mas a polícia o libertou depois de interrogá-lo, pois a Convenção de Viena dá imunidade aos diplomatas.

Ainda de acordo com a imprensa do Brasil, as famílias das meninas quiseram linchar o diplomata, que escapou graças à intervenção da segurança do clube. Na época, a embaixada do Irã em Brasília afirmou que o assunto foi apenas "um mal entendido devido às diferenças culturais de comportamento". Com informações da AFP.

Mais conteúdo sobre:
Irã abuso diplomata expulsão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.