Iraque adia voto sobre retirada de tropas dos EUA

Projeto prevê saída dos soldados americanos até o fim de 2011.

Da BBC Brasil, BBC

26 Novembro 2008 | 13h36

O Parlamento iraquiano decidiu adiar até quinta-feira um voto importante sobre um plano de retirada das tropas dos Estados Unidos até o fim de 2011.O presidente da casa, Mahmoud al-Mashhadani, disse que houve um acordo em todos os pontos em discussão menos um, mas não deu outros detalhes.O governo, liderado pelos xiitas, disse estar confiante de que o plano será aprovado, mas precisará do apoio dos principais partidos sunitas.De acordo com o projeto, as tropas americanas deixarão as ruas iraquianas até meados do ano que vem e serão proibidas de realizar determinados tipos de operações sem permissão do governo iraquiano.SoberaniaO governo do Iraque diz que considera essa sessão do Parlamento como um prelúdio do retorno à soberania total.O plano de retirada das tropas foi negociado durante um ano com os americanos e foi aprovado pelo gabinete iraquiano.O apoio da minoria sunita no Parlamento é necessário para criar um clima de consenso nacional.Os sunitas querem que mais sunitas sejam convocados a trabalhar nas forças de segurança e a realização de um referendo. Eles dizem que o governo deve satisfazer essas e outras condições para que aprovem o projeto.Também há oposição de um partido radical xiita, os Sadristas, que dizem que as tropas americanas devem deixar o país até o fim deste ano.Eles também querem que o atual quadro político do Iraque seja renegociado para dar mais espaço a clérigos religiosos.Os principais partidos curdo e xiita já representam quase todos os 138 votos necessários para a aprovação do plano no Parlamento de 275 cadeiras, mas até mesmo o governo diz que não vai considerar a votação uma vitória se não incluir os sunitas.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.