Iraquianos se empolgam com Obama, mas se dividem sobr retirada

O candidato democrata à Presidência dosEUA, Barack Obama, é muito popular entre iraquianos, queconsideram que um negro teria mais condições de entender suasdificuldades, segundo cerca de 25 pessoas ouvidas pela Reutersno país. Obama chegou na segunda-feira a Bagdá, em sua segundavisita ao Iraque, para enfatizar sua política externa eresponder às críticas do rival republicano John McCain, segundoquem o democrata não conhecia de perto a situação do país. "Apóio Obama, acho que é o melhor para o Iraque e omundo... Se McCain ganhar, ficarei arrasado", disse MustafaSalah, funcionário de um escritório em Basra (sul do Iraque). Em Kirkuk (norte), o médico Hisham Fadhil acrescentou: "Eleé muito melhor que os demais porque é negro, e os negros foramtiranizados na América. Acho que ele sente o nosso sofrimento." Obama é filho de uma branca do Kansas com um negro doQuênia. Costuma se identificar como negro e aludir à sua origemmultirracial. Em sua passagem pelo Iraque, o candidato deve passar amaior parte do tempo cercado por uma forte segurança, e porisso a população comum não deve nem vê-lo. Embora a violência esteja em seu menor nível nos últimosquatro anos e haja alguns avanços para a reconciliaçãopolítica, a ameaça dos carros-bomba e sequestros continua sendoreal. Se há simpatia pelo candidato, os iraquianos se dividem arespeito da proposta dele de retirar as tropas norte-americanasde combate num prazo de 16 meses após sua posse. Muitos tememque as forças locais ainda não tenham condições de assumir asegurança do país. "O que Obama disse sobre retirar as forças dos EUA é sópara ganhos políticos. É irrealista", disse Munadhil AlMayyahi, um político independente de Basra. Kamiran Mohammed, de Kirkuk, que recentemente visitou osEUA como participante de uma entidade que faz estudoseleitorais, disse que Obama será melhor para o Iraque do queMcCain. "Quando estive nos Estados Unidos concluí que osdemocratas são mais pacíficos e evitam guerras", disseMohammed.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.