Irmandade Muçulmana quer até 50% das vagas no parlamento egípcio

A Irmandade Muçulmana disse neste sábado que irá disputar até metade das cadeiras do parlamento egípcio nas eleições previstas para setembro.

REUTERS

30 Abril 2011 | 14h35

Entretanto, o grupo disse que não irá propor um candidato para o cargo de presidente em uma eleição que será realizada depois da parlamentar.

A Irmandade Muçulmana é considerada a principal força política no Egito após a saída de Hosni Mubarak em fevereiro, e a dissolução do Partido Nacional Democrático.

Em um comunicado divulgado depois de uma reunião do Conselho Shura (consultivo) para discutir o assunto , o grupo afirmou que tinha decidido concorrer a "entre 45 e 50 por cento dos assentos do parlamento."

Desde a saída de Mubarak por uma revolta em massa, a irmandade afirma que não busca o poder, e disse que não vai tentar a presidência ou a maioria do parlamento.

O grupo é visto com desconfiança por Washington, embora seja considerado o único grupo realmente organizado do Egito, e calcula que pode conquistar até 30 por cento dos votos em uma eleição livre.

Embora fosse proibida por Mubarak, a Irmandade Muçulmana era tolerada, desde que não fosse um desafio ao seu poder. O grupo islâmico foi fundado em 1920 em possui profundas raízes na conservadora sociedade muçulmana do Egito.

(Reportagem de Yasmine Saleh)

Mais conteúdo sobre:
ORMEGEGITOIRMANDADE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.