Israel e Hamas negam acordo sobre Gaza

Egito mantém diálogo com ambos e violência diminui, mas trégua formal é desmentida.

Da BBC Brasil, BBC

10 de março de 2008 | 15h40

O governo de Israel e o movimento islâmico Hamas negaram nesta segunda-feira a existência de um acordo formal para diminuir a violência na Faixa de Gaza.Nos últimos dias, o Egito manteve diálogos separados com o governo israelense e o Hamas, mas o primeiro-ministro israelense, Ehud Olmert, negou que seu país esteja envolvido em qualquer negociação com o grupo palestino."Não há negociação, direta ou indireta, nem acordo entre Israel e o Hamas", disse Olmert. "Falei há poucos dias e de forma explícita que Israel não vai tolerar a continuidade dos disparos de foguetes Qassam e mísseis Grad contra moradores israelenses do sul de Israel.""Se isso continuar, vamos disparar", acrescentou. "Se eles não continuarem, então não teremos razões para atirar."O Hamas, por sua vez, afirmou que não vai disparar foguetes se os israelenses paralisarem as operações militares na Faixa de Gaza.O governo de Israel afirmou que quer se concentrar em negociações com a Autoridade Palestina, e esse processo diplomático não incluiria o Hamas."Entendimento silencioso"Nos últimos dias, os confrontos na região da Faixa de Gaza diminuíram, e a rádio do Exército israelense atribuiu o fato ao que chamou de "entendimento silencioso".A diminuição nos confrontos ocorre depois de um período violento. Mais de 120 palestinos foram mortos em uma ofensiva israelense na Faixa de Gaza, que durou cinco dias e foi encerrada há uma semana. Um terço das vítimas era formado por civis.O governo israelense afirma que a operação na Faixa de Gaza tinha o objetivo de atingir militantes palestinos que estavam disparando foguetes e mísseis contra cidades israelenses próximas da fronteira.No mesmo período, um civil israelense e quatro soldados de Israel foram mortos nos confrontos.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.