'Isso não existe', reage Sarney sobre hipótese de renúncia

O presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), afirmou nesta segunda-feira que a hipótese de renúncia do cargo "não existe", a despeito da pressão crescente de familiares e parlamentares para que deixe a função.

REUTERS

03 Agosto 2009 | 16h38

A declaração dada foi em resposta a indagações da imprensa na saída do plenário.

"Nunca deixei de estar confiante", disse ele.

Sarney presidiu o início da primeira sessão do Senado após o recesso de 15 dias, num recado de que está disposto a enfrentar os pedidos de renúncia em plenário.

Durante o período em que permaneceu na sessão, não houve apartes de senadores pedindo que ele abrisse mão da presidência, uma vez que apenas aliados discursaram.

A eventual saída de Sarney abriria uma disputa entre governo e oposição sobre o comando do Senado e poderia acentuar as dificuldades de governabilidade na instituição, atrapalhando votações importantes para o Executivo como o marco regulatório da camada pré-sal de petróleo.

Desde que assumiu o comando do Senado, em fevereiro, Sarney vem sendo alvo de denúncias que envolvem emprego de familiares, desvio de recursos da Fundação José Sarney e uso de atos secretos.

(Reportagem de Natuza Nery)

Mais conteúdo sobre:
POLITICASARNEYFALA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.