ITA pretende dobrar vagas em cinco anos

Instituto completa 60 anos discutindo expansão, políticas afirmativas e adesão ao sistema de seleção pelo Enem

Mariana Mandelli / TEXTOS e Tiago Queiroz / FOTOS, O Estado de S.Paulo

29 de agosto de 2010 | 00h00

Infraestrutura. Prédio da reitoria do ITA foi projetado por Oscar Niemeyer

 

Considerada uma das escolas de nível superior mais tradicionais e rígidas do País, o Instituto Tecnológico da Aeronáutica (ITA) completa 60 anos com planos de se expandir pela primeira vez. O objetivo do instituto é dobrar o número de vagas na graduação nos próximos cinco anos, com aumentos anuais de 20% - o que totalizaria 1,2 mil alunos.

 

"Sentíamos que era hora de ampliar. E a notícia foi recebida com muita sensibilidade pelo setor aeroespacial e pelos órgãos de pesquisa", disse ao Estado o reitor do ITA, brigadeiro Reginaldo dos Santos. Segundo ele, o projeto chega num momento propício, com a expansão das universidades federais e a demanda por mais engenheiros no mercado.

 

O instituto não pretende criar novos cursos - atualmente, 586 alunos estão matriculados em seis graduações: Engenharia Aeronáutica, Engenharia Eletrônica, Engenharia Mecânica Aeronáutica, Engenharia Civil Aeronáutica, Engenharia de Computação e Engenharia Aeroespacial. "Mas há a intenção de alguns professores de implantar Engenharia Física e Engenharia de Materiais", afirma o reitor. De acordo com ele, é possível também que se pense em uma pós-graduação na área de humanas e em matemática.

 

Localizado em São José dos Campos, a 90 quilômetros de São Paulo, o ITA foi criado por uma lei assinada pelo então presidente Getúlio Vargas como uma instituição sob jurisdição do Ministério da Defesa - e não do Ministério da Educação, como as universidades brasileiras. Por ter esse perfil militar e promover a ciência aeroespacial, sempre foi cercado de "mitos", como a rigidez e a minoria feminina entre os alunos.

 

A ideia de ampliar o ITA existe desde 2005, mas só tomou forma em 2007, quando a Vale Soluções e Energia, empresa pertencente à Vale, aceitou financiar o projeto arquitetônico, que custou R$ 1 milhão. A previsão é de que as obras, que incluem três blocos de apartamentos e a expansão das instalações do Centro de Preparação de Oficiais da Reserva da Aeronáutica e da divisão de ensino fundamental do ITA, tenham início no ano que vem. O atual alojamento seria destinado aos pós-graduandos.

 

O instituto estima que os custos totais sejam de R$ 130 milhões - R$ 100 milhões para as obras e mais R$ 30 milhões para mobiliário, laboratórios e pessoal. No momento, o projeto está em fase de apresentação formal ao Ministério da Defesa e deve ser levado também ao MEC e ao empresariado, para buscar parcerias.

 

Disciplina. Durante a cerimônia de formatura militar dos alunos do primeiro ano, sargento orienta aluno a fazer a barba corretamente

 

Professores e alunos apoiam a ampliação. "É uma necessidade. Nosso laboratório não tem mais para onde crescer", afirma o major Olympio Coutinho, do Laboratório de Guerra Eletrônica, onde são pesquisados programas de defesa do território. "O Brasil merece a expansão do ITA e o instituto precisa fazer a sua parte", opina o mestrando Luis Filipe Nohra, de 34 anos.

 

Discussão e propostas. Entre as dificuldades que o ITA deve enfrentar para se expandir está a falta de professores, que já ocorre. Em concurso aberto neste ano, 21 das 26 vagas foram preenchidas. A expectativa é contar com os ex-alunos.

 

A ampliação de vagas, segundo o instituto, não deve modificar o processo seletivo nem interferir na qualidade dos ingressantes - todos os cursos do ITA avaliados pelo MEC receberam conceito máximo. "A diferença de nota entre os 300 primeiros aprovados é mínima", afirma Marcelo Pelisson, coordenador da turma ITA do Curso Poliedro de São José dos Campos, especializado no vestibular do instituto. "Temos muitos alunos bons, que, quando não passam, é por muito pouco."

 

A possibilidade de o ITA aderir ao Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), que agora é utilizado no processo seletivo das instituições federais de ensino superior, é um dos temas mais polêmicos que rondam o instituto. Para este ano, a proposta está descartada por questões de prazo. "Ainda precisamos conversar com o MEC sobre os benefícios de usarmos o Enem. Temos de conhecer bem o exame", explica o reitor Reginaldo dos Santos. Segundo ele, atribuir pesos diferentes aos conteúdos do exame seria uma ideia.

 

Utilizar a nota do Enem como política afirmativa também está em avaliação pelo ITA. "Talvez como bônus aos oriundos de escola pública que fizerem o exame. Queremos ter a garantia de que um bonificado pelo exame vá concluir o curso", diz o reitor.

 

Há duas semanas, em visita a São José dos Campos, o ministro da Educação, Fernando Haddad, afirmou que o MEC está mantendo uma relação mais estreita com o ITA. "Estamos procurando uma aproximação para tentar, entre o público que faz o Enem, escolher os estudantes mais bem colocados para ingressar como primeira ou segunda etapa no processo seletivo do instituto", disse.

 

Vestibular aceita inscrições somente pela internet

 

- Os candidatos ao ITA devem se inscrever até 15/9 no site ita.br.

- As provas ocorrerão entre os dias 14 e 17/12.

 

Magnitude

 

- 100 alunos se formam no ITA por ano

 

- 7,05 é a média dos convocados no vestibular

 

- 32,1% dos aprovados fizeram cursinho

 

- 21,3% dos inscritos são mulheres

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.