Itália interrompe planos de voltar a utilizar energia nuclear

País não produz energia nuclear desde 1987, um ano após acidente de Chernobyl

Efe,

19 de abril de 2011 | 12h49

ROMA - O governo italiano decidiu interromper seus planos de voltar a utilizar energia nuclear, depois que em 23 de março aprovou uma moratória de um ano por causa da crise causada no Japão pelo devastador terremoto e o posterior tsunami que atingiram o país.

Segundo a imprensa italiana, que cita fontes parlamentares, o governo de Silvio Berlusconi decidiu introduzir uma emenda a um decreto-lei que atualmente tramita no Senado e que continha esta moratória.

Essa emenda pretende derrogar todas as normas previstas para a construção de usinas nucleares na Itália e modificar o artigo 5 do decreto que continha a moratória aprovada pelo Conselho de Ministros no final de março, que previa uma detenção brusca de 12 meses nos procedimentos para construir instalações deste tipo.

A moratória previa ainda que o prazo máximo para definir a estratégia nuclear na Itália seria de 24 meses a contar a partir de 23 de março, dia em que foi aprovada no Conselho de Ministros.

A Itália não produz energia nuclear desde que em 1987, um ano depois do acidente de Chernobyl, na Ucrânia, os italianos se expressaram através de um plebiscito contra as centrais nucleares no país e as quatro que existiam foram fechadas.

Mais conteúdo sobre:
Itáliaenergia nuclearJapão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.