Italianos, alemães, egípcios e romeno são sequestrados n Egito

O ministro do Turismo do Egito, ZoheirGarrna, disse nesta segunda-feira que 15 pessoas foramsequestradas na fronteira entre o Egito e o Sudão, entre elascinco italianos, cinco alemães e um romeno. As outras quatrovítimas são egípcias. Esse é o primeiro grande sequestro de estrangeiros noEgito, apesar de militantes islâmicos já terem atingido o setorturístico do país com bombas e tiroteios, matando centenas depessoas. O ministro disse à Reuters: "Este é um ato de gangue, feitopor homens mascarados". Garrna afirmou também que estão sendofeitas negociações de pagamento do resgate dos reféns. A televisão estatal egípcia disse que, entre ossequestrados, está um oficial da guarda de fronteira egípcia. Fontes de segurança egípcias disseram que os turistas foramvistos pela última vez no domingo, em Aswan, cujos sítiosfaraônicos são um ponto turístico bastante popular. Elesdisseram que os turistas fariam um passeio de carro e moto pelodeserto. Não ficou claro se os turistas foram levados no domingo ouna segunda-feira, disseram as fontes. Com base no monitoramentode conversas telefônicas, o grupo pode ter sido levado àfronteira com o Sudão. O Ministério das Relações Exteriores da Itália confirmou osequestro dos cinco italianos e disse que entrou em contato comos outros países envolvidos, mas não deu mais detalhes. Os ataques a turistas no vale no Nilo são raros, apesar dasérie de bombardeios a resorts turísticos na Península doSinai, entre 2004 e 2006. O Egito culpa um grupo militantebeduíno, com visões islâmicas, pelos ataques em Sinai. (Por Alaa Shahine)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.