Ivan Lessa: Correção política infernal

A arte pode e deve ficar onde bem entender, até na esquina jogando pedra nas velhinhas que passam.

Ivan Lessa, BBC

19 Março 2012 | 05h27

Sigo batendo na mesma tecla: proibições politicamente corretas.

Desta vez a intimidação (chamamos de bullying, pois não?) não é conosco, embora uma editora tenha se auto-censurado num livro sobre o poetinha, como era chamado pelos íntimos, Vinícius de Moraes, e seu relacionamento artístico ou otherwise (vão nessa gente! Taí dando sopa. Melhor que Fashion Week) com Buenos Aires.

O livro em questão já fora publicado há dois anos na Argentina, em tradução, que eles lá gostam delas, encaixando galicismos, e trata de algumas aventuras do "Poesia!" (sempre com a exclamação, assim é que Antônio Maria com ele falava) na capital portenha, onde se destacam várias senhoras e senhoritas, inclusive Maysa e algumas travessuras de Vin (esse é meu).

O resto não sei nem vocês saberão. A auto-censura entre nós vive uma fase áurea, que não é legado da ditadura militar, mas sim uma verdadeira coqueluche neste século. Mais: dengue, pé de atleta, por aí.

Mas aceno de novo com o lenço na mão e me despeço do Brasil e dou uma chegada à Itália. Besteira da grossa anda comendo solta lá, sou informado pelos jornais. Onde entra em cena, tropeçando como numa chanchada, uma organização chamada Gherush92, um grupo romano de direitos humanos que aconselha a falidérrima Organização das Nações Unidas, a ONU, a respeito do que, sem ironia, chamam de "questões sociais".

O questionável grupo em questão voltou sua espingardinha do politicamente correto contra o quê ou quem? Ninguém menos ou mais do que o senhor Dante Alighieri, da cidade de Florença, norte da Itália, já falecido e autor de uma obra, o poema épico A Divina Comédia, publicado pela primeira vez em 1472, e tido como obra-prima e legado de toda a Humanidade.

Gherush é um nome original. Lembra vagamente personagem de O Senhor dos Anéis ou Guerra nas Estrelas.

Mais original do que sua atual decisão não pode ser. A alta cópula, digo, cúpula da organização decidiu que a obra de Dante é "muito ofensiva e discriminatória" e, por este motivo, não deve ser ensinada nas escolas italianas. Especifica Ganush92 que, na seção do poema dedicada ao Inferno, os "sodomitas" são condenados a uma eterna chuva de fogo. Fogo, hem, sodomitas? Mais: os judeus constituem um povo "ávido e mesquinho", Judas foi congelado numa pedra de gelo (Judas on the rocks, bom nome para um coquetel) por ter traído Jesus e Maomé (louvado seja seu nome) é retratado ou poetisado como rachado ao meio e tendo suas entranhas à mostra. Qualquer semelhança com a versão digital do Dicionário Houaiss será mera coincidência?

A presidenta do Gherush92, Valentina Sereni, seguindo o preceito contido em seu sobrenome, pondera que "não estão advogando censura ou fogueira de livros". O que é uma boa notícia. Mas acrescenta uma asneira ao dizer que "a arte não pode ficar acima da crítica". A arte pode e deve ficar onde bem entender, até na esquina jogando pedra nas velhinhas que passam. Por isso chama-se Arte e nisso está todo seu engenho e graça.

Dona Valentina Sereni não deveria ter se surpreendido tanto assim, depois de tanto tempo, com A Divina Comédia. Afinal ela foi escrita por um político fracassado do século 14 que apoiava o Papa e tinha um horror mortal de seus inimigos, para ele uns grandissíssimos descrentes e que mereciam ser punidos com um destino pior que a morte, tanto é que os colocou a todos num ciclo dos infernos.

A Divina Comédia, segundo o crítico literário britânico John Walsh, é uma rara e esplêndida percepção de como as religiões maiores se viam e, quem sabe, ainda se veem, ontem e hoje.

Faltou peito ao danado (em que ciclo os colocaria Dante?) Gherush92. No fundo, ou para ser mais preciso, no raso mesmo, essa turma caindo de "direitos humanos" está, sejamos francos, se borrando de medo de que se um único muçulmano que seja empombar com Dante e sua visão do profeta (louvado seja seu nome) dará início, com certeza, a um inferno "jihadista" espalhando suas labaredas pelos estabelecimentos de ensino italiano.

Enquanto isso, no Brasil, o Ministério Público Federal ameaçou agora ... Vocês vejam aí e me contem. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Mais conteúdo sobre:
also coluna

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.