Já é a hora de ter um super celular 3G?

Novos modelos de smartphones vêm preparados para acessar a web com velocidade maior; compra exige cuidados

FILIPE SERRANO,

02 Junho 2008 | 00h00

Começa a chegar nas lojas uma variedade de supercelulares compatíveis com a terceira geração da telefonia móvel (3G), que conecta seu telefone à web com uma velocidade maior. Eles têm telas grandes, teclados fáceis para escrever, abrem e editam documentos, têm programas especiais para ler e-mails e sincronizam a agenda de compromissos e contatos gravados no computador. É tanta integração de ferramentas avançadas que os smartphones – ou pocket PCs, como você preferir – são os telefones ideais para navegar na internet. É aí que está a vantagem dos smartphones 3G. Você se conecta com velocidade que pode ultrapassar 1 megabit por segundo (Mbps). Já com os celulares incompatíveis com a tecnologia, o jeito era (e é) recorrer a um ponto de internet sem fio ou então usar a a conexão comum das operadoras, que chegam a no máximo 200 kilobits por segundo (Kbps). Desde que você esteja em uma região já atendida por redes 3G, não vai precisar caçar um restaurante ou hotel com Wi-Fi para acessar à web com rapidez. A Claro tem o serviço em 42 cidades, como na Grande São Paulo, Distrito Federal e nas regiões metropolitanas do Rio de Janeiro, Recife, Fortaleza e Porto Alegre. Já a Tim opera em São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Curitiba, Florianópolis, Fortaleza, Recife e Salvador. As duas operadoras são as principais que já têm redes 3G. Os smartphones de terceira geração já têm facilitado o cotidiano de quem adotou o serviço. O engenheiro eletrônico e empresário Rodrigo Vilaça, de 33 anos, é uma dessas pessoas. Ele mora em Recife e tem uma empresa em São Paulo. "Fico conectado 100% do tempo.Quando saio de casa ativo o Skype (no celular) para manter contato com os funcionários em São Paulo", diz ele, que tem um TyTN II. Vilaça já usa a conexão além da profissão. "Antes de dormir às vezes lembro de ler alguma coisa na internet e me conecto pelo celular. Também uso para estudar. Baixo arquivos de áudio com conversas em inglês", conta. Já para o estudante de educação física Daniel Bueno, de 26 anos, seu smartphone, modelo N73, deu lugar à agenda escolar. "Faço download de apostilas da faculdade, anoto as datas das provas e coloco alarme. Hoje mesmo (quarta-feira passada) precisava estudar, mandei a apostila para o meu e-mail, fui a uma lan-house e imprimi", conta. "Desde que assinei um plano de dados, uso a internet com 3G direto." Também é possível conectar o notebook à internet usando a conexão 3G dos smartphones. Segundo Flavio Trascoveschis, instrutor da escola PDA Personal, essa é a principal curiosidade dos alunos. "Mesmo no smartphone, as pessoas acham ruim ver sites", afirma. COMO ESCOLHER Antes de tudo, quem pretende comprar um smartphone 3G deve prestar atenção em um problema um pouco complicado de entender. Dependendo do seu telefone, da operadora e da cidade onde você irá utilizar, mesmo um smartphone compatível com 3G poderá não operar completamente com a terceira geração. Isso porque no Brasil duas freqüências diferentes (850 MHz ou 2,1 GHz) estão sendo usadas para transmitir o sinal 3G. Ou seja, se você comprar um celular que só funcione em 2,1 GHz e a rede da operadora for em 850 MHz, não vai conseguir acessar a internet com alta velocidade. O celular 3G e a rede devem usar a mesma freqüência para tudo dar certo. A rede 3G da Claro, por exemplo, só funciona em 850 MHz, em qualquer cidade. Já a Tim, opera em 2,1 GHz em São Paulo e no Rio, e em 850 MHz nas demais regiões. Um cliente paulistano que usa o 3G dificilmente vai conseguir captar o sinal de alta velocidade nas ruas de Belo Horizonte, pelo menos não até haver integração dos dois tipos de sinais. Essa diferença de freqüências influencia principalmente se você decidir comprar o smartphone no exterior ou varejo. Você precisa certificar-se de que o aparelho é compatível com a freqüência 3G da sua cidade. Já as pessoas que comprarem o telefone na loja da operadora correm menos risco de adquirir um aparelho 3G incompatível com a rede, mas sempre é bom checar – sem deixar dúvidas – as especificações. Apesar dessa limitação, o smartphone não deixa de funcionar; apenas não capta o sinal 3G. Você continua fazendo ligações e enviando mensagens de texto normalmente. Na página seguinte, você confere um teste com sete modelos 3G top de linha. Todos funcionam na freqüência 2,1 GHz. E um deles, o Treo 750, também opera em 850 MHz. Confira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.